Autuori promoveu Reinaldo como titular na partida com o Flamengo, pela Copa do Brasil. (Divulgação/Athletico)

Na última partida do Athletico, pela Copa do Brasil, na derrota para o Flamengo na quarta-feira (28), o Furacão teve a beira do gramado Paulo Autuori. O head coach assumiu a função enquanto o Rubro-negro não oficializa um novo treinador. Na escalação da última quarta, a presença do jovem atacante Reinaldo mostrou que Autuori pode começar a dar mais oportunidade aos jogadores da categoria de base e aspirantes ao elenco principal.

“Como característica na minha carreira eu sempre tive a intenção de poder gerar oportunidades aqueles atletas em formação nos clubes. Mais ainda, em um clube que é formador, [caso do Athletico]”, destacou Paulo Autuori. Reinaldo jogou 80 dos 90 minutos da partida pela Copa do Brasil, ao lado de Nikão e do experiente Walter, o jogador teve suas oportunidades de criar jogadas e mostrar o seu futebol.

Autuori citou ainda outros nomes “hoje temos aí Christian, de uma maneira muito clara, o Reinaldo hoje, entrando na partida, temos muitos exemplos. Então o mais importante é qualidade, o nível competitivo que o jovem pode ter, independentemente da idade, porque tem jogadores com mais idade que até qualidade tem, mas o nível competitivo deixa a desejar”, explicou o head coach.

A média de idade da equipe que entrou em campo contra o Flamengo foi de 26 anos, Erick, Abner, Christian, Fabinho e Reinando puxaram o índice para baixo, todos da categoria sub-23. Autuori também falou sobre não vender jogadores ou negociar promessas que podem ajudar o Furacão a conquistar campeonatos, como aconteceu com Renan Lodi e Bruno Guimarães.

Não podemos ter atitudes contraditórias em relação a isso. No nosso olhar, se formamos bem, necessariamente [esse aproveitamento dos jogadores] deve ser interno, para depois ir ao mercado [vender estes atletas]. Foi assim que o Athletico conseguiu estas conquistas [dos últimos anos], utilizando jogadores como Renan Lodi e Bruno Guimarães.

“Aquilo que eu falei, as equipes de futebol do Athletico não podem negociar [aqueles jogadores] que são mais importantes para conseguir o que o clube conseguiu nos últimos anos. As equipes de futebol do Athletico das diferentes categorias têm que demonstrar um nível competitivo muito alto, quando assim é, exige qualidade, agressividade com e sem bola, e verticalidade no jogo. Com isso não há negócio, fui muito claro com os jogadores nesse sentido, porque queremos uma equipe competindo, até porque necessitamos disso porque precisamos dar uma resposta imediata no Campeonato Brasileiro, e certamente, se mantivermos o espírito que tivemos no jogo de hoje, poderemos fazer com que a nossa tarefa seja menos difícil do que aquilo que possamos imaginar”, finalizou.