Thiago Heleno e Camacho foram suspensos por doping. (Geraldo Bubniak/AGB)

O zagueiro Thiago Heleno e o volante Camacho, do Athletico, foram suspensos por seis meses em julgamento do caso de doping realizado na sede da Conmebol, em Luque, no Paraguai. Suspensão conta de data retroativa, no dia da coleta do exame, em abril. Com isso, os dois só podem retornar aos gramados em outubro – Thiago Heleno no dia 1º e Camacho no dia 23.

Os dois jogadores usaram um termogênico indicado por um nutricionista do clube para acelerar o metabolismo. Porém, o produto contém Higenamina, que é proibida pela Agência Mundial Antidoping (WADA, sigla em inglês). A substância é proibida desde 2017.

Thiago Heleno e Camacho foram flagrados em exames antidoping em jogos da fase de grupos da Libertadores nos jogos contra Tolima, no dia 09 de abril, e Jorge Wilstermann, no dia 24 de abril, respectivamente. O volante ainda foi pego no primeiro jogo do Campeonato Brasileiro contra o Vasco, mas teve o caso unificado e só foi a julgamento uma vez.

Dias depois do caso vir à tona, o presidente do Conselho Deliberativo do Athletico, Mário Celso Petraglia, isentou os jogadores de culpa. “O doping é uma coisa tão forte na vida do profissional do esporte que é um tabu e desta vez, eles não podem ficar com essa marca porque foram vítimas da instituição. A culpa é exclusivamente do Athletico Paranaense”, declarou.

Com o resultado final, Thiago Heleno pode retornar aos gramados no dia 1º de outubro, enquanto Camacho estará liberado no dia 23 do mesmo mês.