Goleiro Santos tem a primeira chance na seleção brasileira. (Reprodução/CBF TV)

O goleiro Santos vive um momento especial com a primeira oportunidade de vestir a camisa da seleção brasileira nos amistosos contra Senegal e Nigéria. Aos 29 anos, o camisa 1 do Athletico teve outro momento inédito: conceder entrevista representando o Brasil. Durante a conversa com os jornalistas, em Singapura, ele contou que Dida e Taffarel são as suas maiores inspirações.

“Eu sou dessa forma mesmo, procuro ser o mais tranquilo possível. O Dida é um cara que eu sempre admirei e até o próprio Taffarel, que dispensa comentários. O Dida era a minha inspiração quando moleque e era ele que eu ‘costumava ser’. Procuro ter ele como um espelho e é um exemplo a ser seguido”, declarou Santos.

“O ‘sai que é sua Taffarel’ também é emblemático. Todo moleque que sonha em ser goleiro já ouviu. O Taffarel é uma referência para todos, um exemplo para toda essa molecada. Ele teve um tempo no Athletico quando o Weverton esteve na seleção e só cumprimentei. Cheguei aqui, só cumprimentei também porque estava doido para trabalhar. É um cara que a gente tem como referência e trabalhar com um cara desse tamanho só nos faz crescer”, acrescentou.

Com a camisa da seleção, o goleiro terá a oportunidade de reencontrar Weverton, companheiro de Athletico entre 2012 e 2017. “Eu falei com ele assim que saiu na convocação e vai ser um momento muito legal. Tivemos muito tempo juntos no Athletico e vai ser uma oportunidade com ele. Estar com ele na seleção me deixa muito feliz e estamos colhendo o que plantamos lá atrás no Athletico. Vai ser bacana esse papo com ele”, disse.

Estreia na seleção

Santos está tendo a primeira chance com a seleção brasileira graças ao bom desempenho com a camisa do Athletico nas conquistas da Sul-Americana e da Copa do Brasil. Ele quer aproveitar o momento para agradar a comissão técnica e ganhar uma sequência. “Vejo como uma grande oportunidade. Eu espero fazer um ótimo trabalho e continuar fazendo o que venho fazendo no Athletico. Se eu fizer por merecer em voltar, ficarei muito feliz. Tenho certeza que é merecimento. Em relação ao rodízio, deixa nas mãos do treinador e é ele quem vai decidir quem merece estar aqui. Vou continuar fazendo meu trabalho com muita seriedade”, comentou.

O goleiro ainda ressaltou o trabalho feito no Athletico para alcançar resultados expressivos. “Algumas pessoas me perguntaram em relação ao Athletico e tudo é fruto de um trabalho que vem sendo feito dentro e fora de campo. O nosso presidente [do Conselho Deliberativo, Mário Celso Petraglia] tem uma visão totalmente diferente e a nossa equipe tem feito dentro de campo, o que realmente importa. Nós estamos fazendo um ótimo trabalho e é continuar nessa pegada de conquistar títulos importantes”, falou.

Primeira camisa da seleção

Santos não sabe se terá a oportunidade de entrar em campo nos jogos contra Senegal e Nigéria, mas vai guardar com carinho a primeira camisa da seleção brasileira. “Chegar aqui é o ápice de todo o atleta e é o que todo mundo quer. Essa camisa vai ficar bem guardada porque é o que marca. Isso com certeza vai ficar guardado para ficar de recordação para no futuro mostrar para quem vier atrás de que é a primeira camisa da seleção. Tem que deixar no quadro”, contou.

Assista trecho da entrevista do goleiro Santos