O Athletico iniciou com um empate em 0x0 diante do Alianza Lima-PER a sua jornada na Copa Libertadores da América de 2023. Contra o adversário mais fraco do grupo, o Furacão teve o domínio territorial, mostrou suas valências ofensivas mas não conseguiu colocar a bola pro fundo da rede. Depois do jogo, o debate entre os torcedores buscava compreender o sentimento que ficou após a estreia na competição continental. Afinal, o ponto conquistado em Lima deve ser celebrado ou lamentado?

Pelo lado técnico, o Furacão deixou escapar uma boa oportunidade de vencer. Em um grupo com um bom time do Atlético-MG e um sempre difícil Libertad-PAR, triunfar nos dois encontros com o Alianza Lima-PER era quase lei para ter a grande chance de avançar às oitavas de final como o primeiro colocado do grupo G. Aí os gols perdidos (especialmente o de Cuello) martelam a cabeça do torcedor rubro-negro. E se a bola entrasse? Muito provavelmente, a vitória viria. Ainda sim, a perda de dois pontos ontem  não confirma que o Athletico não fechará sua chave na liderança. Porém, lhe obriga a vencer uma partida teoricamente mais difícil para atingir o objetivo de ter a chance de, no mata-mata, sempre decidir a vaga jogando na Arena da Baixada.

Porém, se baseando estritamente nos contextos que a partida apresentou, o técnico Paulo Turra não está equivocado em celebrar o resultado e valorizar o esforço de seus jogadores. O Athletico iniciou, nesta semana, a sua primeira maratona de jogos em 2023 e terá de se sacrificar muito (física e mentalmente) para superar os desafios no estadual, no Brasileirão e nas duas Copas. Ontem, o time atuou em um estádio que pulsava em favor dos peruanos, que buscavam atordoar os atleticanos com o ímpeto para que sentissem o peso de uma viagem desgastante nas costas. Se não bastassem esses contextos puros da Libertadores, o jogo teve o último contorno definitivo quando Turra se viu obrigado a improvisar Fernandinho na zaga ao se livrar do pendurado Zé Ivaldo e ver Thiago Heleno expulso.

Tenha sido o resultado bom ou ruim, fato é que o Athletico fez um jogo muito sincero em Lima. A estreia em uma Libertadores, por mais que o time seja muito experiente no torneio, sempre tem uma dose forte de tensão e ansiedade. Houveram poucos momentos de pressão dos donos da casa, frente aos ataques mais agudos do Furacão. Não faltou concentração ao time taticamente, mas faltou aquele capricho técnico, vide as chances que foram perdidas ao longo do primeiro tempo do jogo. Se tivesse a vantagem, o CAP daria a bola aos donos da casa e lhe jogaria uma baita pressão para não começar o torneio com o pé esquerdo. Seria um 2º tempo sofrido, mas com uma chance grande de manutenção do triunfo rubro-negro.

Porém, de nada adiantará ao Athletico fazer inúmeras reflexões sobre este jogo contra o Alianza Lima, que já está no passado. Agora, o foco do clube precisa ser a sequência decisiva de jogos. Haverá uma grande final contra o FC Cascavel no sábado e o Furacão está a apenas um empate de confirmar um merecidíssimo título estadual. Na semana que vem, tem viagem a Maceió e jogo duro contra o CRB pela Copa do Brasil, poucos dias antes da estreia no Brasileirão diante do Goiás, na Arena da Baixada. Jogos decisivos e que darão o clima, bem como a intensidade, do caldeirão que estará fervendo na noite da terça-feira (18), quando o Furacão voltará a campo pela Libertadores no duelo brasileiro diante do Atlético-MG. Grandes jogos pela frente e, na mira, a consolidação deste primeiro grande e bom trimestre feito pelo rubro-negro.

*Lucca Marreiros é produtor da equipe de Esportes da Banda B

Athletico - estreia Libertadores
O Athletico estreou com um empate sem gols contra o Alianza Lima, no Peru. Foto: José Tramontin/CAP

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Athletico lamenta ou celebra estreia na Libertadores?

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.