Por Rodrigo Dornelles

Sob protestos, Furacão foi derrotado de virada pelo Maringá. (Divulgação/Atlético).Sob protestos, Furacão foi derrotado de virada pelo Maringá. (Divulgação/Atlético).

O Atlético entrou em campo no fim da tarde deste sábado (14) buscando uma vitória para aliviar um início de crise no clube. Com uma equipe modificada, o Furacão recebeu o Maringá e até saiu na frente, mas levou a virada e se colocou, definitivamente, em crise. A torcida atleticana perdeu a paciência e não poupou time, técnico e presidente.

Com bom ímpeto no início de jogo, parecia que o Rubro-negro começaria a mudar a história dentro do Paranaense. Os estreantes Rafinha e Eduardo estavam bem e o Atlético saiu na frente com Cléo, cobrando pênalti. Após o gol, o Maringá saiu pro ataque e empatou ainda no primeiro tempo, com Edinho. No início da segunda etapa, Marcelo Xavier virou e definiu o placar.

Na próxima rodada, o Furacão precisa vencer o lanterna Nacional, em casa, para seguir com chances de classificação. Já o Maringá visita o Prudentópolis em uma situação agora mais confortável.

Atlético sai na frente, mas Maringá busca empate

O início de jogo na Arena da Baixada foi bom para o time da casa e esperançoso para o torcedor atleticano. Pressionando, o Furacão teve no estreante Rafinha seu jogador com maior ímpeto. O meia arriscou três vezes em dez minutos, mas não levou perigo. Em boa jogada pela direita aos 13 minutos, Eduardo, outro estreante cruzou rasteiro para Cléo, que foi derrubado e o árbitro marcou pênalti. Na cobrança, ele mesmo abriu o placar cobrando no meio do gol.

Se no placar o Rubro-negro aparecia na frente, em campo não se viu mais este panorama. A equipe da casa recuou e o Maringá tomou conta das ações. Após insistir, o empate veio em um belo gol de Edinho, aos 32′. O lateral foi lançado na área, driblou a defesa atleticana e colocou no ângulo de Weverton. O goleirão atleticano ainda foi obrigado a fazer uma boa defesa e outro milagre para salvar o Furacão.

Virada, insatisfação e protesto

Com as mesmas equipes que terminaram o primeiro tempo, Atlético e Maringá voltaram a campo para a etapa final. E logo aos sete minutos, Marcelo Xavier mexeu novamente no placar e virou o jogo para a Zebra. Após escanteio da esquerda, o zagueiro desviou de perna esquerda e colocou no cantinho de Weverton.

Atrás no placar, a torcida atleticana começou a perder a paciência com a equipe. Bastou o técnico Claudinei Oliveira sacar Marcos Guilherme para entrada de Edigar Junio que o grito de “burro” pode ser ouvido. Após isto, a torcida começou a protestar contra a equipe, o técnico e o presidente.

Os últimos 25 minutos de jogo foram de um Atlético buscando o empate, mas sem organização e sob vaias e protestos. Enquanto isso, o Maringá se postou no campo de defesa e passou a tentar aproveitar os contra-ataques. O goleiro do time visitante ainda trabalhou para evitar o empate e o placar não foi mais alterado.

FICHA TÉCNICA

Atlético 1×2 Maringá

Local: Arena da Baixada, em Curitiba (PR).
Data: 14 de março de 2015.
Horário: 18h30.

Atlético: Weverton; Eduardo, Gustavo, Léo Pereira e Natanael; Deivid, Hernani, Felipe (Bruno Mota), Rafinha (Crysan) e Marcos Guilherme (Edigar Junio); Cléo.
Técnico: Claudinei Oliveira.

Maringá: Tadeu; Rhuan, Fabiano, Marcelo Xavier e Edinho; Italo, Eurico, Serginho Paulista e Danilo Rios (Alex); Edimar [Max (Gabriel Barcos)] e Rafael Santiago.
Técnico: Claudemir Sturion.

Cartões amarelos: Eduardo e Gustavo (CAP). Tadeu, Serginho Paulista e Rhuan (MAR).
Gols: Cléo, aos 13′ do primeiro tempo (CAP). Edinho, aos 33′ do primeiro tempo e Marcelo Xavier aos 7′ do segundo tempo (MAR).