Por Esporte Banda B

Hélio Cury foi suspenso por 120 dias pelo STJD. (Rodrigo Dornelles/Banda B)Hélio Cury foi suspenso por 120 dias pelo STJD. (Rodrigo Dornelles/Banda B)

O Atlético, um dos clubes que apoia o candidato da oposição, Ricardo Gomyde, divulgou uma nota em seu site oficial afirmando que Hélio Cury não pode participar das eleições da Federação Paranaense de Futebol do próximo dia 21 de março após ser suspenso por 120 dias pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva).

Em parte do texto, o clube atleticano citou a Lei Pelé, nº 9.615/1998, estabelece de forma clara que são inelegíveis para qualquer cargo quem estiver “afastado de cargos eletivos (…) de entidades desportivas” (art. 23, II, “d”), que deixaria Cury impedido de disputar a presidência da FPF.

Logo após a punição ser confirmada, o advogado de Cury, Emerson Fukushima, declarou que não terá problemas para as eleições, além de que entrará com um pedido de efeito suspensivo.

Confira a nota publicada pelo Atlético:

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva afastou o presidente da Federação Paranaense de Futebol, ao reconhecer a prática de inúmeras irregularidades. A Lei Pelé, nº 9.615/1998, estabelece de forma clara que são inelegíveis para qualquer cargo quem estiver “afastado de cargos eletivos (…) de entidades desportivas” (art. 23, II, “d”). É exatamente o caso. Este dispositivo está reproduzido no próprio Estatuto da Federação Paranaense de Futebol (art. 79, IV). O recurso de Hélio Cury no STJD, sequer em tese, terá efeito suspensivo pleno, capaz de afastar a eficácia a penalidade até a eleição. Portanto, não há nenhuma dúvida que Hélio Cury está inelegível, impedido legal e estatutariamente de ser votado na eleição do próximo dia 21 de março.

É claro que a Conselho Eleitoral, integrado por homens de confiança de Hélio Cury, pode conceber argumentos fantasiosos para mantê-lo ilegitimamente na disputa. Mas o Poder Judiciário, a quem cabe a palavra final, não vai aceitar esta violação direta e inequívoca da Lei Pelé e do Estatuto. É evidente que não se pode aceitar a eleição de um Presidente que está afastado pela Justiça Desportiva. Cedo ou tarde, Hélio Cury será impedido de disputar a eleição ou exercer o cargo de Presidente.