Athletico foi derrotado pelo River e perdeu o título da Recopa (LUCIANO BISBAL/DIA ESPORTIVO/ESTADÃO CONTEÚDO)

O Athletico foi aguerrido e segurou a pressão durante boa parte, mas sofreu dois golpes nos acréscimos e perdeu o título da Recopa Sul-Americana para o River Plate, por 3 a 0, na noite desta quinta-feira (30), no Monumental de Núñez, em Buenos Aires.

Com vantagem no jogo de ida, o Furacão segurou as investidas dos Millonarios durante 63 minutos em Buenos Aires, com uma atuação de gala do goleiro Santos. Mas foi num problema frequente de gols sofridos nos minutos finais que o sonho chegou ao fim. Quando tudo caminhava para a prorrogação, duas falhas defensivas nos acréscimos deram aos argentinos as chances de matar o jogo e levar o tricampeonato da Recopa.

O Athletico agora volta as atenções para o Campeonato Brasileiro. O próximo compromisso será no domingo (02), às 16h, contra o Fluminense, na Arena da Baixada.

O jogo

Com anteviu o técnico Tiago Nunes, o cenário foi de uma pressão imensa do River Plate. Empurrado pelos 60 mil presentes no Monumental de Núñez, o time da casa pressionou, manteve a bola e deu muito trabalho ao goleiro Santos no primeiro tempo.

Quando não foi exigido, o camisa 1 do Athletico contou com a sorte ao seu lado para evitar o gol adversário. Na primeira grande chance dos Millonarios, aos 14 minutos, Borré desvencilhou da marcação e acertou a trave. Depois, coube a Santos o papel de protagonista. Aos 17, ele defendeu chute rasteiro de Angileri. No lance seguinte, com segurança, o cabeceio de Lucas Pratto. A melhor defesa foi aos 23, em chute forte de Pratto, que o arqueiro se esticou para salvar.

A saída para amenizar a pressão foi se soltar e fazer com que o River se segurasse. Aos 28, Lucho serviu Rony e o atacante não alcançou. Mais tarde, aos 32, a dobradinha quase deu certo. Em lance inverso, o argentino recebeu do camisa 7 na pequena área e finalizou para excelente defesa de Armani.

Com tudo em aberto, o segundo tempo começou pegado. O River Plate tentou exercer o mesmo domínio da etapa inicial e conseguiu um pênalti aos 16 minutos, marcado pelo árbitro após consulta no vídeo de toque na mão de Lucho González. Ignácio Fernández parou no goleiro Santos, mas a bola bateu na trave e sobrou limpa para empatar no rebote.

Sem mais a responsabilidade de ter que marcar para não perder o título, o time da casa diminuiu o ritmo e se arriscou menos, mas teve próximo do segundo. Aos 29, Montiel recebeu na área e chutou forte, parando em ótima defesa do goleiro Santos.

O Furacão também evitou a exposição com a igualdade no agregado e teve apenas uma grande chance. Aos 34, Renan Lodi tentou de fora da área e Armani espalmou no canto esquerdo.

Mas o destino foi cruel no apagar das luzes e premiou o time que mais pressionou. Aos 46 minutos do segundo tempo, a zaga falhou e Lucas Pratto recebeu lançamento livre na área, dominou e bateu na saída do goleiro Santos para marcar o segundo gol.

O Rubro-Negro sentiu o golpe e restou apenas tentar todas as fichas nos cinco minutos que restavam. E foi num contra-ataque, aos 49, que Matías Suárez aproveitou nova brecha defensiva para driblar o goleiro athleticano e dar números finais à partida.

FICHA TÉCNICA
ATHLETICO 0X3 RIVER PLATE

Estádio: Estádio Monumental de Nuñez, em Buenos Aires (ARG).
Data: Quinta-feira, 30 de maio de 2019.
Horário: 21h30.
Árbitro: Roberto Tobar (CHI).
Assistentes: Christian Schiemann (CHI) e Claudio Rios (CHI).
Árbitro de vídeo: Diego Haro (PER).
Assistentes de vídeo: Victor Carillo (PER) e Jonny Bossio (PER).

River Plate: Armani; Montiel, Martínez Quarta, Pinola e Angileri (Camilo Mayada); Ponzio; Ignácio Fernández, Enzo Pérez e Palacios (De La Cruz); Borré (Matías Suárez) e Lucas Pratto.
Técnico: Marcelo Gallardo.
Athletico: Santos; Jonathan, Paulo André, Léo Pereira e Renan Lodi; Wellington, Bruno Guimarães e Lucho González (Léo Cittadini); Nikão (Marcelo Cirino), Rony e Marco Ruben.
Técnico: Tiago Nunes.
Gol: Ignácio Fernández aos 18′, Lucas Pratto aos 46′ e Matías Suárez (RIV) aos 49′ do segundo tempo.
Cartões amarelos: Montiel e Lucas Martínez (RIV); Renan Lodi, Wellington, Bruno Guimarães e Lucho González (CAP).