Antes da derrota do Athletico para o Cruzeiro por 2×0, na noite desta quarta-feira (26), no Mineirão, o assunto “novo técnico” tinha um só olhar. Era mais que evidente o interesse do Furacão em repatriar Fernando Diniz. Mas a entrevista emocionada do ex-treinador do Fluminense adicionou novas cores à história. O abatimento de Diniz e o pedido de “tempo” impactam sim no pensamento rubro-negro sobre a sequência do trabalho no ano do centenário.

Após a experiência frustrada com Cuca – que terminou com mágoas de todas as partes, de jogadores a dirigentes, passando por funcionários e pelo próprio treinador -, o Athletico não quer errar. Por isso, até estaria disposto a aguardar certo tempo caso Diniz queira comandar a equipe em breve. “Eu não pretendo trabalhar imediatamente, mas não sei se vou trabalhar esse ano. Eu preciso descansar um pouco”, disse o técnico em entrevista coletiva nesta quarta no Rio de Janeiro.

Fernando Diniz estava muito abatido na entrevista. A sensação era que ele não imaginava ser demitido do Fluminense. “Estão sendo dias bem difíceis para digerir e certamente vai passar e ficar todo mundo bem.”, afirmou o treinador, que chegou a chorar na conversa com os jornalistas. Pela personalidade de Diniz, é um sinal de que talvez este abalo demore mais do que o imaginado para passar. E como fica o Athletico?

Athletico espera, mas…

Percebendo que há uma possibilidade real de Fernando Diniz não comandar nenhuma equipe até o final do ano, o Athletico deve começar a avaliar quem seria o “plano B”. O gerente de futebol André Mazzuco e o diretor financeiro Márcio Lara estão à frente das possíveis negociações, mas quem fecha contrato é o CEO Alexandre Leitão. Foi ele quem confirmou a Cuca, em uma reunião de apenas 20 minutos, que o clube aceitava seu pedido de demissão.

Mas, como todos sabem, quem decide no Athletico é o presidente Mário Celso Petraglia. Amigo de Fernando Diniz, ele deseja muito a volta do técnico à Baixada. Caso ele não aceite, será de Petraglia a decisão de quem será o próximo treinador. E se levarmos em conta que os últimos a comandarem o Rubro-Negro foram Alberto Valentim, Fábio Carille, Luiz Felipe Scolari, Paulo Turra, Wesley Carvalho, Juan Carlos Osorio e Cuca, é difícil imaginar qual será o critério principal para a próxima contratação.

Fernando Diniz, ex-técnico do Athletico.
Diniz não segurou o choro durante a coletiva. Foto: Reprodução/SporTV

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Athletico vai respeitar “tempo” de Fernando Diniz, mas pode buscar plano B

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.