Athletico e Coritiba assinaram nesta quarta-feira (1), ao lado dos outros 24 integrantes da Liga Forte Futebol (LFF), uma nota sobre os últimos movimentos para a criação de uma liga brasileira. Depois de um período em que uma negociação parecia impossível, a Libra anunciou que aceita o plano da LFF de diminuir drasticamente a diferença de repasses dos direitos de transmissão.

Liderada por Flamengo e Corinthians, a Libra não aceitava um maior equilíbrio na distribuição das verbas da TV. Mas um grupo, liderado por Botafogo e Cruzeiro, acabou convencendo os dois clubes a aceitarem a redução na diferença, chegando ao que Athletico e Coritiba, junto à LFF, projetavam. A proposta é de uma transição, que comece com a diferença de 3,9 vezes entre o que mais ganha e o que menos ganha. E com o aumento do faturamento, a diferença cairia até chegar em 3,4 vezes.

O plano da Libra foi elogiado pelos integrantes da LFF, entre eles Athletico e Coritiba. Na nota divulgada nesta quarta, a decisão permite que, segundo a Forte Futebol, “possa haver a retomada do diálogo entre os dois grupos”. O texto também afirma que a entidade está esperando um documento oficial da Libra para voltar à mesa de negociações.

Athletico e Coritiba juntos

É a segunda vez que Athletico e Coritiba se unem por uma divisão mais equilibrada dos direitos de transmissão. Em 2016, a dupla Atletiba foi pioneira com o acerto com o Esporte Interativo, uma manobra que sacudiu o esporte brasileiro. Agora, na LFF, o objetivo é criar, praticamente do zero, uma liga nacional, que já tenha como norma uma distribuição mais justa da grana da TV.

Leia abaixo a íntegra da nota, que é assinada por Athletico e Coritiba e mais 24 clubes das séries A, B e C do Brasileirão:

A Liga Forte Futebol (LFF) acredita que o modelo de distribuição de receitas da Liga Brasileira deve ser aquele que torne o futebol brasileiro mais forte e competitivo como um todo. E, para isso, considera fundamental que haja um debate aberto sobre o tema.

Pelas notícias veiculadas nesta terça-feira (28/2) sobre mudanças aprovadas em reunião da Libra acerca do modelo de distribuição das receitas de uma futura liga unificada, a LFF acredita que as mesmas estão na direção certa e aguarda um contato da Libra compartilhando a proposta oficial aprovada para que possa haver a retomada do diálogo entre os dois grupos. A LFF permanece aberta ao diálogo construtivo, como sempre esteve, visando à criação de uma liga unificada no Brasil.

No sentido da manutenção da transparência, a LFF vem a público resumir os pontos críticos que ainda parecem afastar uma convergência para um modelo único de acordo entre LFF e Libra.

Desde o princípio das discussões, a LFF apontou as seguintes premissas básicas para a criação de uma liga de 40 clubes:

– Um limite máximo de 3.5x de diferença entre o clube de maior e o de menor receita, independentemente do volume de receitas total gerado, ou de qualquer regra de transição – cláusula pétrea para a LFF;

– A garantia de repasse de 20% da receita total para as Série B e C, independentemente de como os direitos sejam negociados, seja de forma separada entre A e B ou de forma conjunta – cláusula pétrea para a LFF;

– A garantia mínima do PPV, presente nos contratos de alguns clubes até 2024, que causa as maiores distorções de receitas no futebol brasileiro, não pode ser mantida como referência para qualquer garantia de receita a partir de 2025;

– A governança precisa respeitar um quórum de votação para mudanças importantes de 2/3, e não por unanimidade ou por uma maioria que na prática dê poder de veto a um grupo muito reduzido de clubes (ex.: 85%);

Todos esses pontos, já aprovados oficialmente pela LFF e que fazem parte do acordo com o grupo de investidores liderados pela Serengeti e pela Life Capital Partners, são de conhecimento da Libra desde o início das negociações entre os dois grupos, em agosto de 2022. Caso tenham sido ou venham a ser aprovados em futuro próximo, nos levarão rapidamente a um acordo para a criação de uma liga unificada no Brasil, objetivo final de todos os clubes brasileiros (da LFF).

E, por fim, a LFF gostaria de reafirmar a segurança do seu assessor financeiro, a XP, no grupo de investidores liderados pela Serengeti e pela Life Capital Partners a partir do compromisso formal com investimentos de 4,85 bilhões para a liga de 40 clubes, e também um investimento de 2,325 bilhões para o cenário apenas com os clubes da LFF.

Um total de 26 clubes fazem parte da LFF, listados a seguir. Temos a honra de contar com clubes de 11 (onze) Estados que representam 4 (quatro) regiões do país.

E muito orgulho de termos atualmente 4 (quatro) de nossos clubes ranqueados entre os 7 (sete) primeiros do Ranking Nacional de Clubes da CBF de 2023, corroborando também a força do nosso grupo de clubes dentro de campo.

Liga Forte Futebol do Brasil

ABC
Athletico
Atlético-MG
América-MG
Atlético-GO
Avaí
Brusque
Chapecoense
Coritiba
Ceará
Criciúma
CRB
CSA
Cuiabá
Figueirense
Fluminense
Fortaleza
Goiás
Internacional
Juventude
Londrina
Náutico
Operário
Sport
Vila Nova
Tombense

Athletico e Coritiba divulgam nota conjunta com a LFF.
Foto: Divulgação/CBF

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Athletico e Coritiba assinam nota pela ‘pacificação’ entre LFF e Libra

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.