(Sutton Images/F1/Divulgação)

O ex-CEO da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, disse em entrevista a revista britânica “Autocar”, que o piloto da Ferrari Sebastian Vettel está sendo deixado em segundo plano pela escuderia italiana por causa de seu jovem companheiro, Charles Leclerc. Também acredita que o alemão nunca deveria ter deixado a Red Bull, equipe pela qual foi tetracampeão mundial.

“É algo que já vimos antes. De repente surge um garoto do nada, ninguém nunca ouviu falar dele (Leclerc), mas ele aparece, age e todos se apaixonam por ele na Ferrari. Estou próximo de Sebastian, mas não conversamos sobre esses assuntos, mas suponho que ele sente que foi deixado em segundo plano.”

Ecclestone e Vettel sempre tiveram uma relação de proximidade. Costumavam jogar gamão antes das corridas e o ex-mandatário da categoria já chegou até a declarar que desejava que o piloto alemão fosse seu genro. Ainda disse que acredita que caso Vettel não possa mostrar suas capacidades até o fim de seu contrato com a Ferrari, em dezembro de 2020, deveria retornar para a Red Bull, onde era querido e admirado

“Bem, ele não está em uma posição fácil. Seu contrato termina no fim deste ano. Se pudesse mostrar suas capacidades, deveria ficar na Ferrari. Se não, deveria voltar para a Red Bull, porque eles o queriam lá.”

Vale lembrar que o próprio piloto alemão já manifestou que ele e Leclerc disputam em igualdade na equipe. Em 2019 o chefe de equipe da Ferrari, Mattia Binotto, afirmou que por Vettel ser mais experiente teria favorecimento na disputa do campeonato.

O chefe chefe de equipe da Red Bull, Helmut Marko, já disse que descarta a volta do tetracampeão mundial pela questão financeira e por acreditar que ele não está mais entre os melhores da categoria. A concorrência que poderia ter com Max Verstappen, atual astro da escuderia austríaca, também pesa para a decisão.