Stroll atingiu a poli neste sábado. (Divulgação/Fórmula 1)

Após cinco corridas sem pontuar na Fórmula 1, o canadense Lance Stroll está confiante de que o cenário pode mudar no GP da Turquia. O piloto canadense conseguiu cravar a inédita pole da carreira em Istambul, neste sábado, e crê que tem chances de iniciar a volta por cima e apagar os problemas recentes.

“É uma bela maneira de se recuperar depois de algumas semanas difíceis”, salientou o piloto da Racing Point, lembrando das corridas nas quais foi envolvido em acidentes e também da ausência no GP de Eifel por ter sido infectado pela covid-19.

“Estou um pouco sem palavras. Foi uma sessão tão maluca, num dia maluco desde a manhã”, afirmou, em referência às duas paradas na tomada de tempos e às condições climáticas adversas que atrasaram o término da sessão classificatória na Turquia.

Sob chuva, Stroll levou a melhor por, segundo ele, “estar com o pneu certo na hora certa”. Mas reconheceu que não foi fácil pilotar num circuito extremamente escorregadio e com pouca aderência na pista devido ao recapeamento tardio.

“Só foi realmente possível (a pole) por estar com o pneu certo na hora certa no final. Chegamos ao ponto intermediário no fim do Q3. Eu tive uma volta rápida no final da qualificação e senti confiança no carro e consistência na minha direção. Não cometi nenhum erro e consegui fechar na pole position”, explicou o canadense, disposto a voltar a se divertir na Fórmula 1. “Não tem sido divertido, não vou mentir”, pontuou, sobre o desempenho nas últimas corridas.

Podendo ser campeão na Turquia, Lewis Hamilton largará apenas na sexta colocação. Na avaliação do hexacampeão mundial, ele não podia ir além. “Fiz tudo o que pude com o que tinha”, lamentou o piloto da Mercedes. “Nós tentamos nosso melhor, fizemos o melhor que podíamos. Foi o mais rápido que pudemos ir”, avaliou o britânico.

Hamilton sofreu demais com a pista molhada pela chuva e mostrou preocupação. “A sensação da pista é terrível. É como dirigir no gelo. Por alguma razão, algumas pessoas conseguem fazer os pneus funcionarem um pouco melhor do que nós. Acho que, no final das contas, estamos todos lutando, mas alguns são melhores do que outros”, opinou.

Para conquistar o heptacampeonato da Fórmula 1 e empatar com Michael Schumacher em número de títulos, Hamilton precisa somar oito pontos a mais que o seu companheiro de Mercedes, Valtteri Bottas, que foi ainda pior na classificação e vai largar na nona colocação.