Cuba autoriza boxe feminino pela 1ª vez desde a Revolução Cubana de 1959
Pugilistas cubanas estão liberadas para combates após seis décadas. Foto: Divulgação/Federação Cubana de Boxe

Depois de autorizar neste ano que os boxeadores voltassem a ter carreira profissional, o governo de Cuba liberou a prática da ‘nobre arte’ para as mulheres, impedidas de calçar as luvas desde a revolução liderada por Fidel Castro em 1959.

Uma das maiores potências do boxe olímpico no masculino, Cuba vai tentar o mesmo sucesso no feminino, a partir dos Jogos da América Central, em San Salvador, El Salvador, no próximo ano.

“Hoje tornamos pública a autorização do boxe feminino no nosso país, uma etapa importante no desenvolvimento”, disse Ariel Sainz, vice-presidente do Instituto Cubano de Esportes.

Apoio de famosos

O movimento para liberar o boxe feminino em Cuba teve apoio de celebridades como Alcides Sagarra, fundador da escola cubana de boxe, que formou astros como Teófilo Stevenson e Felix Savón.

“Nossas mulheres também deveriam ir aos Jogos de Tóquio. O boxe feminino é praticado em todo o mundo, não sei por que ainda não é oficial em Cuba”, disse Sagarra, aos 85 anos, durante a campanha para a liberação da nobre arte feminina na maior ilha do Caribe.

Cuba possui representação feminina em todos os esportes, incluindo levantamento de peso, judô e luta livre. O boxe é o último esporte a quebrar a barreira do preconceito no país. Na história do boxe amador, os cubanos somam 80 títulos mundiais e 41 medalhas olímpicas.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Cuba autoriza boxe feminino pela 1ª vez desde a Revolução Cubana de 1959

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.