Foto de apostas
Foto: Divulgação

Você não precisa ser um entusiasta dos sites de apostas esportivas para reconhecer a popularidade que a modalidade conquistou nos últimos anos. Basta andar pelas ruas, ligar a televisão ou assistir a um vídeo no YouTube para reconhecer algumas marcas de plataformas de “bets” que patrocinam desde influencers até atletas profissionais de alto nível.

O fato é que as apostas esportivas tornaram-se parte do nosso cotidiano, como forma de entretenimento e possibilidade de ganhos financeiros. Como prova, os sites de apostas esportivas são, atualmente, a maior fonte de financiamento do futebol brasileiro – e isso representa muito dinheiro. 

Consequentemente, uma grande parcela da atenção pública voltou-se para questões envolvendo apostas esportivas, incluindo a necessidade de regulamentação para garantir a legalidade e transparência ao setor. Vamos entender melhor os desdobramentos desse tema e como as apostas esportivas representam valor tanto para os clientes, quanto para os cofres públicos.

Regulamentação das apostas esportivas

Estima-se que empresas do setor de apostas esportivas invistam, anualmente, cerca de R$ 3,5 bilhões em patrocínios relacionados ao futebol. Impressionado? Pois saiba que a H2 Gambling, a principal autoridade em relação ao valor do setor global de apostas, avalia que o valor deve atingir R$ 9,2 bilhões até 2027.

Evidentemente, esse massivo volume de dinheiro chama a atenção, gerando muitos debates sobre a necessidade de regulamentação do setor. Em consequência disso, em dezembro de 2023 foi aprovado pela Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 3626/2023, que regulamenta as apostas esportivas.

Embora haja quem se preocupe que a regulamentação acarrete redução dos investimentos das casas de apostas esportivas em no futebol, os pontos positivos da medida são inúmeros. 

Por exemplo, espera-se que a regulamentação, além de transparência, também garanta maior segurança aos apostadores que escolhem a modalidade como entretenimento. Além disso, outra expectativa do governo envolve a geração de empregos e novas receitas relacionadas às apostas esportivas

O que esperar da regulamentação das apostas esportivas?

Os principais pontos do PL 3626/2023, envolvem:

– Taxação de 12% sobre o faturamento de empresas de apostas esportivas, e de 15% sobre o ganho de apostadores. Os tributos arrecadados serão destinados para o esporte, turismo, educação, saúde e segurança pública.

– Somente empresas autorizadas pelo Ministério da Fazenda, com sede e administração no território nacional, poderão explorar a atividade.

– O quadro social da empresa deve ser composto por pelo menos um brasileiro que detenha no mínimo 20% do capital societário.

– Empresas de apostas esportivas deverão obter licença para exploração da atividade em território nacional.

– Além da restrição de maioridade (menores de 18 anos não podem apostar), pessoas que trabalham com esportes e possuam qualquer influência sobre competições ou sobre as plataformas de apostas esportivas em si, estarão proibidas de participar de bets.

– A publicidade das empresas de apostas esportivas deverão advertir o público sobre os riscos das apostas em geral.

Todas essas medidas visam, além de arrecadar recursos, garantir que o consumidor não seja prejudicado, evitar fraudes e prevenir o jogo patológico, que pode trazer prejuízos financeiros e a saúde mental de jogadores propensos ao vício.

Regulamentação: bom para quem?

Tudo indica que todos se beneficiarão da regulamentação das apostas esportivas: consumidores, governo e empresas. Contudo, não podemos nos esquecer que a transparência também proporciona benefícios aos clubes de futebol.

Atualmente, dos 20 times da Série A, 12 tem como patrocinador principal uma casa de apostas esportivas. Assim, garantir que essas plataformas de jogos sejam regulares e legalizadas, também reflete em maior segurança para os clubes que contam com esses recursos como fonte de financiamento. 

Além disso, as medidas irão reduzir potenciais riscos de fraudes, evitando o comprometimento dos resultados que lesam o espírito esportivo e o comportamento desonesto de atletas que se envolvem com corrupção na busca de ganhos financeiros.

Diversão saudável e responsabilidade

Projeto de Lei 3626/2023 que regulamenta as apostas esportivas irá conduzir o Brasil a uma nova fase relacionada às bets – uma fase que deverá refletir positivamente no cenário esportivo e econômico do país. Mas, sobretudo, garantirá que as apostas esportivas permaneçam como uma diversão saudável. 

A Betsul já se adaptou às exigências de promoção responsável das apostas esportivas por meio do “Jogo Consciente”. Para ajudá-lo a manter suas atividades de apostas sob controle, a plataforma oferece ferramentas úteis, que permitem que você acompanhe sua atividade na plataforma em um painel visual de estatísticas.

Assim, o apostador poderá acompanhar seus ganhos e perdas, valor total apostado e total de depósitos líquidos (total de depósitos menos o valor total de saques), entre outras informações. 

Além disso, com o intuito de ajudar no controle de gastos com as apostas, o Betsul possui uma funcionalidade importante, chamada “Limite de Depósito”. Com essa ferramenta, o cliente consegue ajustar, segundo as suas preferências pessoais, a quantidade de dinheiro máxima para a realização das apostas esportivas no site de forma consciente.

Caso o consumidor identifique que a realização das apostas esportivas está afetando sua vida, ele pode ainda utilizar a função “quero fazer uma pausa”, que permite auxilia no afastamento da plataforma pelo período escolhido. Esses e outros mecanismos visam propiciar que o ambiente de apostas esportivas seja seguro e divertido como deve ser!

Saiba mais sobre a Betsul e seu compromisso com as apostas esportivas responsáveis por meio do “Jogo Consciente”

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Apostas esportivas: valor para cliente e valor para governo

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.