(Pedro Melo/Banda B)

Somente na última semana foram dois arbitrais, duas audiências de conciliação e uma reunião na Prefeitura. Em nenhuma delas, Botafogo, Fluminense e Federação de Futebol do Rio de Janeiro (Ferj) conseguiram chegar a um acordo. Coube, então, ao prefeito Marcelo Crivella, ainda que de maneira atrapalhada, intervir e ao menos conseguir adiar este impasse.

A primeira tentativa foi na última terça-feira (16), quando um arbitral da Ferj com todos os clubes varou a madrugada. Após oito horas, decidiu-se pela volta do Campeonato Carioca a partir da última quinta-feira (18), com o duelo entre Flamengo e Bangu no Maracanã. Na ocasião, também foram marcados os jogos de Botafogo e Fluminense para o próximo dia 22, o que gerou todo o imbróglio, uma vez que os clubes sequer tinham voltado aos treinos.

O debate foi retomado no dia seguinte numa tentativa de consenso, algo que não aconteceu e as datas foram mantidas.

No dia seguinte, um encontro ocorreu entre Crivella e os clubes. Na ocasião, o prefeito botafoguense, Nelson Mufarrej, manifestou ao microfone sua posição contrária ao retorno do futebol. O prefeito, por sua vez, em tom conciliatório, solicitou que a Ferj acatasse o pedido do Alvinegro e do Tricolor caso eles optassem por jogar somente a partir de julho, algo que foi ignorado solenemente pelo presidente da entidade, Rubens Lopes.

Na quinta-feira (18), Botafogo e Fluminense acionaram o Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-RJ), mas tiveram seus pedidos indeferidos.

O caso, então, foi parar no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), onde uma audiência conciliatória foi marcada para a última sexta (19), mas nenhum acordo foi feito. Neste sábado (20) houve um novo capítulo, onde o Fluminense chegou a ceder e topar jogar a partir do dia 30 de junho, mas a Ferj bateu o pé e não aceitou tal data.

Poucas horas depois, porém, viria o decreto de Crivella, para surpresa de todos, suspendendo todas competições esportivas até o próximo dia 25. Mais tarde, a assessoria da Prefeitura informou que a publicação no Diário Oficial sofreria ajustes e que a medida valerá somente para os jogos de Botafogo e Fluminense.

O QUE VEM PELA FRENTE?
Com o decreto, já há um encurtamento entre o que a Ferj quer e o que a dupla deseja. Porém, será necessário aguardar até o dia 25 se a medida será prolongada ou a partir do dia 26 ela não mais valerá. Neste meio tempo, existe uma possibilidade, ainda que remota, das partes chegarem a um acordo.