Gilmar Dal Pozzo. (Douglas Araújo/CRB)

Paraná Clube perdeu mais uma partida em sua série de “mini decisões” na reta final da Série B. A derrota por 2 a 0 para a Chapecoense marcou a dificuldade do Tricolor em voltar a vencer e somar pontos na competição. Para o técnico Gilmar Dal Pozzo, a estratégia funcionou nos minutos iniciais, mas o Tricolor não soube aproveitar para fazer o gol e definir a partida.

“O que está fazendo a diferença, alguns erros principalmente no setor de defesa, e que estão comprometendo o resultado. Os erros individuais fazem parte do processo, mas é isso que está comprometendo. Começamos bem dentro de uma formação, em uma linha de cinco porque o adversário vinha com quatro atacantes. A ideia foi boa, no início da partida, a gente conseguiu controlar os primeiros 10, talvez 15 minutos, e de posse de bola a gente estava conseguimos jogar também e contra-atacar. A Chapecoense percebeu que estávamos com uma linha de cinco, começou fazer bola longa, nas costas principalmente dos nossos laterais, e foi o que aconteceu no primeiro gol”, avaliou o técnico.

Para o treinador, o segundo tempo demonstrou aquilo que ele gostaria que a equipe realizasse durante toda da partida e lamentou a oscilação entre o as etapas do jogo. “Fizemos algumas mudanças no segundo tempo, voltamos ao nosso padrão 4-2-3-1, e o que mudou foi a atitude. Tivemos um pênalti legítimo [não marcado], controlamos o jogo. Segundo tempo a Chapecoense praticamente não conseguiu jogar, a gente fez a marcação alta, e de posse de bola conseguimos envolver e finalizar mais, mas não foi o suficiente com precisão”, explicou.

“Gostei do segundo tempo, principalmente na questão de jogo, a gente conseguiu assumir essa condição de jogar mesmo marcado, marcou pressão, atitude do segundo tempo foi diferente do primeiro tempo”, destacou Dal Pozzo.

O treinador lamentou que o bom momento dos minutos iniciais não foi aproveitado e falou ao torcedor que vai continuar tentando buscar o resultado para evitar a queda do Paraná para a Série C.

“Para nós é trabalho. Eu sei que o torcedor está com esse medo, essa angustia. Eu faço este exercício de me colocar na condição do torcedor. Mas a gente que está aqui, está trabalhando. Estou tentando de todas as maneiras, mostrando estratégia diferente e me reinventando para tentar surpreender os adversários principalmente na questão tática”, concluiu.

O Tricolor agora se foca no próximo adversário, o Botafogo de Ribeirão Preto, em jogo na Vila Capanema, às 17h, no dia 4 de janeiro, na retomada do Campeonato Brasileiro da Série B de 2020. Com 32 pontos na 18ª colocação, o Paraná precisa de quatro vitórias e um empate para chegar ao número mágico da permanência na Série B.