Romário. Foto: Divulgação/CBF

Principal nome da seleção brasileira na conquista do tetracampeonato, Romário, 54, ainda não tem certeza, mas talvez neste domingo (26), às 16h, veja pela primeira vez a decisão da Copa do Mundo de 1994, diante da Itália.
A Globo exibe a partida na íntegra, dando continuidade à sua programação de reprises da seleção durante a paralisação do esporte causada pela pandemia de Covid-19.

O ex-atacante entrou para a política em 2011, como deputado federal pelo PSB no Rio de Janeiro. Atualmente senador (Podemos-RJ), ele diz que, mesmo com o tempo mais livre, não tem acompanhado as reapresentações de partidas de futebol, com algumas raras exceções.

“Eu gosto de ver jogo que tem gol. Do jogo com a Itália eu posso ver o comecinho, que foi legal, e depois o final, na disputa por pênaltis”, afirma em entrevista à Folha o artilheiro do Brasil naquela conquista, que foi às redes cinco vezes em sete jogos.

Romário reconhece que a reprise do empate sem gols com a Itália, no tempo normal e na prorrogação, possa fazer com que alguém questione os gols que perdeu na partida, mas crava: “Quem disser que a Copa de 1994 não foi minha, não sei nem o que dizer, só pode ser um maluco”.

Na política, o senador, que se opõe ao comando da CBF, lamentou que a CPI do Futebol no Senado tenha terminado com dois relatórios e nenhum indiciado em 2016.

LEIA A ENTREVISTA:

PERGUNTA – Como tem sido sua rotina durante a pandemia, o que o senhor tem feito?
ROMÁRIO – Na verdade, quase nada, né? Um amigo meu tem uma academia na casa dele e de vez em quando eu vou dar uma malhada lá, mas basicamente tenho ficado em casa. Gosto muito de ficar mexendo nas minhas músicas, no computador, vejo várias séries.

PERGUNTA – O senhor tem assistido às reprises que os canais têm transmitido nas últimas semanas?
ROMÁRIO – Eu nunca fui muito fã de ver jogo, principalmente o que já passou. Mas quando estou trocando os canais, se tem algum jogo de muitos gols, eu paro para ver. Teve uma semana que passou alguma coisa da seleção de 1970 que eu assisti. Mas eu prefiro ver umas séries, uns filmes. Estou assistindo “Vis a Vis”, “Ponto Cego”, a última temporada de “La Casa de Papel”, essas porras todas.

PERGUNTA – O senhor já viu alguma vez a final de 1994 na íntegra?
ROMÁRIO – Ainda não tive esse prazer de assistir, não. A probabilidade de ver agora é grande, né. [Mas] eu gosto de ver jogo que tem gol, quando não tem gol é foda. Do jogo com a Itália eu posso ver o comecinho, que foi legal, e depois o final na disputa por pênaltis.

PERGUNTA – Com as reprises recentes das seleções do passado, muita gente tem discutido o que deu errado, por exemplo, com a seleção de 1982…
ROMÁRIO – Para mim, a geração de 1982, depois da de 1970, tecnicamente falando, é a melhor que o futebol brasileiro teve, mas infelizmente acabaram não ganhando. A minha, que não era tão boa tecnicamente, acabou vitoriosa. É essa a diferença. Na verdade, cada um vê o futebol da sua forma. Eu particularmente, repito, não vi nenhum time jogar como aquela seleção de 1982. Mas acho que o futebol, como qualquer esporte, quem mais aparece e é reverenciado é quem ganha. E é o caso de 1994. A gente não tinha um futebol tão vistoso, mas ganhou. Ganhamos Copa do Mundo, Copa América. Essa geração é a geração vitoriosa. Com um futebol menos bonito, menos elegante, mas um futebol vitorioso.

PERGUNTA – Com essas reprises, surgiu um fenômeno nas redes sociais que é o de tentar reescrever a história ou rediscutir a trajetória e o talento dos jogadores. O senhor teme que alguém possa ver a final de 1994 e desmerecer seu desempenho?
ROMÁRIO – Para a geração atual, é bom ter a oportunidade de ver o que não viu. Ver pelo YouTube ou pela internet não é completo. Você vê o jogo todo na televisão, sem pressa porque está todo mundo em casa, e tem uma visão diferente. Até para vocês, jornalistas novos, que não acompanharam como estão acompanhando o futebol hoje, vejo essa possibilidade para chegarem à conclusão de quem era bom realmente. Eu não tenho preocupação nenhuma, aprendi a respeitar a opinião dos outros. Tenho bastante consciência do que eu represento para o futebol brasileiro, para o futebol mundial e o que representei para aquela Copa. Quem disser que a Copa de 1994 não foi minha, não sei nem o que dizer, só pode ser um maluco. No jogo da Itália, eu perdi dois ou três gols, um gol quase impossível de perder na prorrogação. Talvez por aquele jogo a pessoa diga: ‘Esse cara não foi o melhor da Copa’. Mas quem acompanhou os outros seis jogos não pode dizer o contrário. Está louco.

PERGUNTA – Vocês têm algum grupo em que o pessoal daquela seleção participa? Mantém contato com aquela geração?
ROMÁRIO – Não estou em nenhum grupo de WhatsApp. Falo mais com o Branco, o Ricardo Rocha. A gente não tem amizade do dia a dia, mas uma relação boa entre todos [os campeões].

PERGUNTA – O senhor não participou da comemoração do tetra no ano passado que foi organizada pela CBF. Por quê?
ROMÁRIO – Eu não fui porque eu entendi que não era para eu ir. Não era o tipo de comemoração que eu tinha que participar com relação à Copa de 1994.

PERGUNTA – A CPI do Futebol terminou com dois relatórios e nenhum indiciado em 2016. O senhor ficou desapontado com esse desfecho?

ROMÁRIO – Infelizmente, a CPI acabou não tendo um resultado oficial que eu esperava que teria. Foram feitos dois relatórios, um do relator, o senador Romero Jucá (MDB-RR), e o meu relatório paralelo, meu e do Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Ali está o que realmente aconteceu no futebol brasileiro. Quem tem esse relatório em mãos: a Polícia Federal, o STF, o STJ, o Ministério Público, a Fifa, até para a própria CBF eu mandei. Todos os órgãos que poderiam intervir em alguma coisa com relação à Justiça são sabedores do que aconteceu na CPI. Se nada aconteceu é por falta de vontade ou de capacidade. Eu já estou com 54 anos, são pouquíssimas as coisas que me desapontam.

PERGUNTA – O senhor será o relator no Senado do projeto [de autoria do deputado Pedro Paulo, aprovado na Câmara em 2019] que incentiva a adoção do modelo de clube-empresa. Acredita que, depois do Profut [programa de refinanciamento de dívidas criado em 2015] os clubes têm o direito de pleitear novos refinanciamentos?

ROMÁRIO – Essa conversa a gente teve há seis meses, depois parou, não sei como está. Tem um outro projeto, do senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG) que eu, particularmente, vejo com melhores olhos do que o que vem da Câmara. Que não é ruim, longe disso, mas esse do Rodrigo Pacheco eu vejo que é mais interessante. Flexibiliza mais para os clubes, para os atletas, no resumo é um projeto que é mais fácil de ser implementado do que o do Pedro Paulo. Todo ano no governo federal aparece alguém com um projeto de perdão de dívida. Os clubes têm que pagar sua conta e acabou. Quando foi a época do Profut, eu já era senador e fui contrário. Enquanto você não der à CBF uma autonomia de decidir, e ela não decidindo tem que ter alguma sanção, nada vai acontecer no futebol brasileiro. Se a CBF não participar disso, nada vai andar.

PERGUNTA – Como o senhor acha que o futebol vai voltar depois da pandemia, principalmente com efeitos econômicos da paralisação, e o que o esporte poderá aprender com esse período?
ROMÁRIO – Eu acho que toda profissão está sofrendo um pouco. É natural que o seguimento do futebol não seja diferente. É mais do que esperado que as pessoas do futebol, todos os jogadores, as comissões técnicas, diretorias, diminuam um pouco os seus salários ou parcelem de alguma forma o que têm que receber. É um momento muito difícil para o país. Todo mundo tem que fazer um pouco de sacrifício.

PERFIL – Romário, 54

O atacante jogou no Brasil por Flamengo, Fluminense e Vasco. No exterior, fez carreira com passagens por PSV, Barcelona e Valencia. Em sua contagem particular, diz ter marcado mais de mil gols –a revista Placar considera 731. Na política, foi deputado federal e hoje é senador.