Tcheco, ex-treinador do Rio Branco. (Geraldo Bubniak/AGB)

Com a dispensa do elenco e de toda a comissão técnica do Rio Branco ainda no mês de março, devido ao surto do coronavírus, Tcheco viu seu primeiro trabalho como treinador acabar antes mesmo do fim do Paranaense. Classificado para as quartas de final, o Leão da Estradinha foi um dos clubes mais impactados com a parada do futebol no estado.

Em entrevista à Banda B, durante o programa Meio-dia Esportivo, Tcheco lamentou o sentimento de ‘impotência’ após não poder disputar as quartas de final do torneio, mesmo com a sétima melhor campanha do campeonato. “Essa sensação é péssima. O Rio Branco se preparou desde novembro e os resultados apareceram, principalmente com a classificação para a Série D, pela primeira vez na história do clube”, afirmou o treinador.

Após sete anos como auxiliar técnico em Coritiba e Paraná, clubes que defendeu também como atleta, Tcheco teve sua primeira grande chance como treinador nesta temporada, em Paranaguá. Ao todo, o Rio Branco disputou onze partidas na temporada, venceu três, empatou cinco jogos e perdeu três vezes. Balançou as redes em doze oportunidades e sofreu 11 gols.

“Vamos rezar para que o torneio retorne e seja decidido dentro de campo, mesmo que seja com outra comissão técnica no Rio Branco”, ponderou o ex-treinador.

Caso o Estadual retorne em tempo hábil para sua disputa, o Rio Branco enfrentará o FC Cascavel nas quartas de final.