(Alexandre Vidal/Flamengo)

O presidente do Tribunal de Justiça Desportiva do Rio (TJD-RJ), Marcelo Jucá, rejeitou o pedido da Procuradoria para que o Flamengo -assim como o Fluminense- também transmitisse a final da Taça Rio na noite desta quarta (8).
No despacho, Jucá estabelece como motivo para o indeferimento o fato de que os clubes e a Ferj (Federação de Futebol do Rio de Janeiro) precisam se manifestar, e pede que isso seja feito pelo trio até às 11h desta quarta-feira (8).

Após ser sorteado como o mandante do duelo, o Fluminense obteve um aval da Globo e decidiu que irá transmitir a partida através de seu canal no Youtube, a “Flu TV”. E o aval da emissora à transmissão do Fluminense desperta uma série de questionamentos da Ferj e disputas judiciais sobre a validade das decisões anunciadas entre as partes nos últimos dias.

Tão logo tornou público, na noite de segunda (6), que não transmitiria o jogo em seus canais e plataformas, após uma decisão-esclarecimento da juíza Eunice Bitencourt Haddad, da 24ª Vara Cível do RJ, a Globo interpôs um agravo de instrumento em segunda instância solicitando um efeito suspensivo para a liminar da última sexta-feira (3) -aquela que obrigava a emissora a transmitir os jogos semifinais e finais da Taça Rio.

A matéria está nas mãos do desembargador Francisco de Assis Pessanha Filho, da 14ª Câmara Cível. Na manhã desta terça (7), a Ferj se antecipou ao caso e apresentou o que chamou de “contra-razões” ao desembargador. Diante do texto de Eunice, a federação entende que o contrato entre entidade, times e Globo segue válido, bem como o entendimento de transmissão nas mãos do mandante -como manda a MP 984.

Na visão da defesa da Ferj, o aval solicitado pelo Fluminense à TV Globo reforça que as duas partes entendem e respeitam a validade do contrato de transmissão.

Agora a Federação, assim como a Globo, aguarda a decisão da Justiça sobre o pedido de efeito suspensivo. Caso Francisco de Assis Pessanha Filho não decida sobre o caso ou não defira a liminar pedida pela TV até o jogo de quarta, a Ferj aguarda uma transmissão feita pela emissora -ou cobrará os R$ 5 milhões de multa, como indica o documento assinado por Eunice Bitencourt Haddad na última sexta.