Walter Feldman, secretário-geral da CBF, participou do Balanço Esportivo para falar da situação do Brasileirão. (Lucas Figueiredo/CBF)

Mesmo sem nenhuma previsão de retorno do futebol no Brasil, o Secretário-Geral da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Walter Feldman, descartou qualquer mudança na fórmula de disputa do Campeonato Brasileiro. Independente da data de início, as Séries A e B serão disputadas em 38 rodadas.

“Não há nenhuma porta aberta em relação a isso por uma questão conceitual. As características do calendário são as adequadas. A Copa do Brasil com várias fases é eletrizante e tem uma realidade nacional muito expressiva, o Campeonato Brasileiro com contrato expressivo. Com os ajustes e as folgas que ainda temos, é muito possível cumprir o calendário sem nenhuma mudança estrutural”, explicou Feldman, em entrevista exclusiva à Banda B.

Para que o calendário seja cumprido, a CBF tem duas soluções: disputar partidas entre o Natal e o Ano Novo e em janeiro, e diminuir o período entre cada jogo de 66 para 48 horas. “É possível. O calendário que nós preparamos prevê muitos cenários até porque não sabemos quando voltaremos. Já nos preparamos para o final do ano, quando esse período sagrado de Natal e Ano Novo talvez tenha que ser utilizado, e janeiro também”, disse.

“Já estamos conversando com a Fenapaf para a redução de 66 para 48 horas entre cada partida e um número maior de jogador sendo utilizado. Eu diria que se a curva epidêmica for a prevista, é possível conservar todo o brasileiro, talvez comprometendo o mês de janeiro, e adaptar os estaduais do ano que vem”, acrescentou.

Retorno do futebol será com os estaduais

O secretário-geral da CBF admitiu que a volta do futebol brasileiro será com a reta final dos estaduais e ainda não tem uma previsão para a disputa dos torneios continentais. “Nós gostaríamos da sequência de fase de treinamento, com todos os protocolos de segurança e nada que ultrapasse a essa fronteira, a retomada dos estaduais, a conexão com os nacionais. Achamos difícil uma volta precoce da Libertadores e da Sul-Americana, que envolve outros países, outras conexões. Treinamento, estadual, nacional é a sequência lógica”, falou.

Calendário da seleção brasileira preocupa

Se ainda não existe uma data para jogos dentro do Brasil, a situação é mais complicada quando se fala de seleção brasileira. Para Feldman, os jogos do Brasil pelas Eliminatórias não devem acontecer em 2020. “A pergunta que mais nos preocupa. Se para todo esse sistema nós temos dificuldades para fazer previsão, imagina para a seleção brasileira. É uma logística muito mais complicada e não tem qualquer previsão. É muito provável, na minha avaliação pessoal, que as Eliminatórias neste ano estejam comprometidas. Isso gera grandes prejuízos para a CBF”, comentou.