Clássico entre Coritiba e Athletico pelo Campeonato Paranaense de 2020. (Geraldo Bubniak/AGB)

Com o calendário cada vez mais prejudicado por conta da paralisação do futebol brasileiro devido à pandemia do novo coronavírus, muitos defendem o cancelamento dos campeonatos estaduais de 2020. Só que reiniciar a temporada direto no Campeonato Brasileiro geraria diversos problemas dentro e fora de campo.

Ainda sem um data precisa, os jogos pelo Brasil vão retornar com a reta final dos estaduais. Primeiramente, a situação do novo coronavírus é diferente em cada estado brasileiro e ainda é incerto quando os jogadores poderão viajar pelo país. Portanto, a solução é justamente a disputa dos torneios locais, sem a necessidade de viagem de avião.

Além disso, os estaduais são o caminho para os clubes garantirem as vagas na Copa do Brasil e na Série D do Campeonato Brasileiro. Os times que se sentirem prejudicados podem entrar com uma ação no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), o que geraria diversas complicações que podem afetar até a edição do ano que vem.

“O não cancelamento é fundamental para fazer ensaio de aproximação mais complexo. Os estaduais nos permitem deslocamentos mais fáceis do que ter pegar aviões com viagens de duas, três, quatro horas. Fora isso, tem uma questão jurídica e pode ter pendência jurídica de longo prazo. A CBF, conceitualmente, nunca foi a favor do debate que é comum na imprensa de extinção dos estaduais. Nós temos uma lógica muito positiva da construção do futebol brasileiro e muito disso se dá relevância dos estaduais”, explicou o Secretário-Geral da CBF, Walter Feldman, em entrevista à Banda B.

Já o procurador-geral do STJD, Felipe Bevilacqua, destacou que a importância de concluir os estaduais. “É entender quando terminar essa situação se os estaduais vão continuar ou não, se o Brasileirão vai ser remodelado e se isso pode. Sabemos que os clubes e as federações não se entendem há anos e terá prejudicados. Os prejudicados se tratando, obviamente se tratando uma questão nacional, inclusive os estaduais, vão terminar no STJD. É muito importante que ao final desta situação excepcional, diante de uma visão nebulosa de hoje, que comecemos a fazer uma reflexão da importância da justiça desportiva e como devemos agir”, afirmou, em conversa ainda no mês de abril.