(Lucas Uebel/Grêmio)

PORTO ALEGRE, RS (UOL/FOLHAPRESS) – O protocolo de retomada do Campeonato Gaúcho, entregue oficialmente ao Governo do Rio Grande do Sul nesta quinta-feira (18), sugere que os times não usem vestiário antes, durante e depois das partidas. Também está no plano a limitação de atletas, dirigentes e funcionários em cada delegação. No encontro, o Palácio Piratini pediu prazo para analisar a situação e definir se libera a volta do estadual.

Entre outras medidas estão a concentração ininterrupta e retomada em 19 de julho com duração máxima de 22 dias.
O texto foi apresentado pela FGF (Federação Gaúcha de Futebol) ao secretário de esporte e lazer do Rio Grande do Sul e também a uma representante do comitê de crise ao combate ao novo coronavírus.

No protocolo, a federação propõe que os times cheguem apenas uma hora antes de a bola rolar -antes da pandemia as equipes tinham por hábito desembarcar mais cedo nos estádios. Também consta no texto a sugestão sobre os vestiários.

“Sugere-se chegar ao estádio pré- fardado (calções e camisas) para diminuir o tempo de permanência nos vestiários”, diz trecho do protocolo.

A sugestão de evitar o vestiário é citada no intervalo de jogo e também no pós-jogo. “Somente deverão utilizar o vestiário no intervalo atletas e membros da comissão técnica, mantendo a distância recomendada. Durante o tempo de permanência nos vestiários, seguir as recomendações de distanciamento e utilização da máscara. A hidratação dos atletas deverá ser de forma individualizada, utilizando-se de garrafas ou copo descartável”, propõe o protocolo.

O Campeonato Gaúcho está suspenso desde 16 de março e tem mais três rodadas válidas pela fase de classificação do returno. Depois, oito times disputam o mata-mata. O ganhador da fase atual enfrenta o Caxias na grande decisão, mas se a equipe da Serra também ficar com o título é proclamada campeã estadual de 2020.

A reunião desta quinta não teve a presença do governador Eduardo Leite, que em transmissão pela internet pouco antes do encontro afirmou observar a volta do Campeonato Carioca de longe, sem traçar paralelo com a realidade do Rio Grande do Sul.

Nos últimos dias, Grêmio e Internacional iniciaram movimento para pressionar autoridades em busca de protocolo por treinos com bola e contato.