Rony, do Palmeiras, comemora seu gol durante partida contra o América Mineiro válida pelas semifinais da Copa do Brasil 2020, na Arena Independência, em Belo Horizonte, na noite desta quarta-feira (30). (ESTADÃO CONTEÚDO)

LUCIANO TRINDADE
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A tradição pesou nas semifinais da Copa do Brasil. Palmeiras e Grêmio, que juntos somam oito títulos do torneio mata-mata, eliminaram nesta quarta-feira (30) América-MG e São Paulo, respectivamente, e vão se enfrentar na decisão da edição 2020 do campeonato.
Enquanto a equipe alviverde venceu por 2 a 0 após ter empatado o jogo de ida por 1 a 1, o time são-paulino não conseguiu reverter a desvantagem do jogo de ida, em Porto Alegre, quando perdeu por 1 a 0, e não foi além de um empate sem gols no Morumbi.
São Paulo e América, que vivem ótimos momentos na temporada –o primeiro lidera o Brasileiro, enquanto e o segundo é vice-líder da Série B– buscavam o título inédito. Em 2000, em sua melhor campanha, o time do Morumbi foi vice-campeão. O melhor desempenho dos mineiros foi justamente neste ano.
Os jogos da decisão estão marcados para os dias 3 e 10 de fevereiro de 2021. Os mandos de campo ainda serão definidos em sorteio pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol).
A eliminação em casa encerrou, ainda, sem nenhuma conquista o mandato de Carlos Augusto de Barros, o Leco, como presidente do São Paulo. Este foi o último jogo do clube sob a gestão do mandatário que comanda a agremiação desde o final de 2015.
Sua administração tem sido marcada por constantes mudanças. Sob a gestão dele, nove treinadores comandaram a equipe são-paulina (sem contar interinos): Doriva, Edgardo Bauza, Ricardo Gomes, Rogério Ceni, Dorival Júnior, Diego Aguirre, André Jardine, Cuca e Fernando Diniz.
Apesar da evolução sob o comando de Diniz, diante do Grêmio a equipe não conseguiu apresentar um bom futebol.
A postura das duas equipes no Morumbi foi semelhante a apresentada no jogo de ida, em Porto Alegre, quando os são-paulinos passaram mais tempo com a bola, mas sofreram com boas chances criadas pelos gremistas no contra-ataque.
Desta vez, foi com uma bola parada que os gaúchos quase abriram o placar no primeiro tempo, aos 10 minutos, quando Victor Ferraz recebeu na linha da pequena área e finalizou na trave.
Foi a chance mais clara da primeira etapa, na qual os goleiros foram pouco exigidos. Na etapa final, o cenário seguiu o mesmo e o empate se manteve.
Em Belo Horizonte, Palmeiras e América-MG fizeram um jogo semelhante, pelo menos, durante a primeira etapa.
Muita marcação, pouquíssimas chances de gols criadas em um jogo sem emoção. Esse foi o retrato do primeiro tempo no Indepedência, cenário que ainda deixava indefinido o time que disputaria a final do torneio.
O Palmeiras chegou a passar mais tempo com a bola nos pés, mas só criar uma oportunidade clara, quando Gómez quase fez de cabeça.
Como o resultado levaria a decisão para os pênaltis, as duas equipes voltaram com mais disposição ofensiva depois do intervalo.
Ambas exigiram boas defesas de Weverton e Matheus Cavichioli, mas o goleiro americano nada pôde fazer aos 23 minutos, quando Luiz Adriano recebeu uma bola na entrada da área e finalizou rasteiro para abrir o placar.
Em vantagem, o Palmeiras conseguiu crescer na partida e fechou o placar aos 39 minutos, com Rony.
Além da disputa pelo título, os finalistas vão brigar por uma premiação de R$ 54 milhões, valor que será pago pela CBF ao campeão do torneio. O vice embolsará R$ 22 milhões.
A injeção desses valores é vista pelos clubes como uma forma de amenizar a perda de receitas ao longo do ano causada pela pandemia de Covid-19, sobretudo pelo fato de as competições terem sido retomadas sem a presença de público nos estádios.
*
AMÉRICA-MG
Matheus Cavichioli; Daniel Borges (Marcelo Toscano), Messias, Anderson e Sávio; Flávio (Zé Ricardo), Juninho, Alê (Calyson) e Geovane (Felipe Augusto); Ademir e Rodolfo (Vitão). T.: Lisca

PALMEIRAS
Weverton; Marcos Rocha, Luan, Gustavo Gómez e Viña; Danilo, Gabriel Menino (Patrick de Paula) e Raphael Veiga (Lucas Lima); Willian (Gustavo Scarpa), Rony e Luiz Adriano (Mayke). T.: Abel Ferreira

Estádio: Arena Independência, em Belo Horizonte (MG)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (Fifa-GO)
Assistentes: Fabrício Vilarinho da Silva (Fifa-GO) e Bruno Raphael Pires (Fifa-GO)
Quarto Árbitro: Osimar Moreira da Silva Júnior (GO)
VAR: Elmo Alves Resende Cunha (GO)
Cartões amarelos: Daniel Borges e Rodolfo (AME); Gustavo Gómez (PAL)
Gols: Luiz Adriano (PAL), aos 23min, e Rony (PAL), aos 39min do 2ºT
*
SÃO PAULO
Tiago Volpi; Juanfran, Arboleda, Bruno Alves (Paulinho) e Léo (Toró); Daniel Alves, Luan Santos (Vitor Bueno), Gabriel Sara, Tchê Tchê (Hernanes) e Igor Gomes (Trellez); Brenner. T.: Fernando Diniz

GRÊMIO
Vanderlei; Victor Ferraz (Ferreira), Rodrigues, Kannemann e Diogo Barbosa; Lucas Silva, Matheus Henrique, Alisson (Thaciano), Jean Pyerre (Darlan) e Pepê (Everton); Diego Souza (Paulo Miranda). T.: Renato Gaúcho

Estádio: Morumbi, em São Paulo (SP)
Árbitro: Breno Arleu de Araújo (RJ)
Assistentes: Luiz Cláudio Regazone (RJ) e Thiago Henrique Neto Correa Farinha (RJ)
VAR: Rodrigo Dalonso Ferreira (SC)
Cartões amarelos: Juanfran, Toró e Bruno Alves (SPO); Matheus Henrique e Thaciano (GRE)