Foto: Divulgação/Sporting

O ex-jogador de futebol Paulo Nagamura, atual técnico do time B do Sporting Kansas City, é mais um brasileiro no mundo do futebol que teve seu trabalho atingido pelo novo coronavírus. O paulista, de 37 anos, que  está em isolamento em casa nas últimas semanas, elogiou a postura da Major League Soccer (MLS), a liga americana de futebol dos Estados Unidos, que agiu rapidamente para proteger atletas e comissões técnicas do torneio.

O treinador, formado como atleta nas categorias de base do São Paulo, conversou com a Banda B e trouxe um panorama da situação nos Estados Unidos, um dos países com o maior número de casos da doença em todo o mundo.

“Esse é um momento muito difícil, é uma crise mundial que pegou todo mundo de surpresa. Infelizmente, os EUA é um dos países com mais infectados e aqui está tudo parado. Estamos fazendo o possível para ajudar o próximo e não aumentar o número de casos no país”, afirmou à reportagem. “No nosso caso, temos muito suporte da MLS e eles dão muito apoio a jogadores, comissão técnica. A comunicação é muito boa entre as equipes e a liga. Isso facilita na tomada de decisões e todos ficaram de acordo com a paralisação”.

Nagamura também lamenta a ‘quebra’ do planejamento do Kansas City para o campeonato nacional, que disputou apenas uma partida do torneio antes da quarentena nos MLS, mas concorda com  a quarentena imposta pelo governo.

“É frustrante, porque eu preparei a equipe por 4, 6 semanas. Chegamos a fazer o primeiro jogo do campeonato e, logo depois, as competições foram suspensas. Vamos começar do zero na parte física e de jogo, em que perdemos muito, mas creio que terminar os treinos foi a melhor medida a ser tomada no momento”, completou.