Leonardo é o diretor de futebol da equipe francesa. Foto: Site Oficial/PSG

Em uma grande polêmica ocorrido neste domingo, o brasileiro Neymar denunciou que sofreu insultos racistas do zagueiro espanhol Álvaro González, do Olympique de Marselha, na derrota do Paris Saint-Germain, em Paris, pelo Campeonato Francês. Leonardo, diretor do PSG, afirmou que espera um julgamento do caso e reforçou que há registros das ofensas do defensor do time visitante.

“Não vou comentar o que ocorreu. Passou na televisão. Há as imagens, há o áudio, e o caso será julgado. Neymar me falou o que aconteceu”, disse Leonardo, em entrevista ao canal de TV francês Teléfoot. O brasileiro pode levar sete jogos de suspensão por agressão e González, se condenado por racismo, teria gancho de até 10 partidas.

O Paris Saint-Germain foi mal em sua segunda partida no Campeonato Francês. Além da derrota, o time teve vários expulsos em confusão no final, incluindo Neymar por agredir González com um tapa na cabeça. Em seu primeiro jogo nesta temporada, já que estava em isolamento após ter sido diagnosticado com a covid-19 e desfalcou o time na estreia, o atacante brasileiro teve forte discussão com o espanhol e o acusou de injúria racial.

Ainda no primeiro tempo, em lance aos 37 minutos, Neymar foi até o quarto árbitro para dizer “racismo não!”, referindo-se a González, embora não seja possível saber se ele havia sido o alvo da ofensa ou outro jogador do Paris Saint-Germain.

O espanhol disse ter sido alvo de uma cusparada do argentino Angel Di María, que afirmou ter sido ofendido pelo defensor do Olympique de Marselha. O zagueiro negou que havia cometido injúria racial e pediu que o VAR fosse utilizado. Na ocasião, o árbitro Jêrome Brissard não puniu ninguém.

“Quando há 14 amarelos e cinco vermelhos significa que o jogo ficou fora de controle. É o primeiro a ser dito. Mas não vou defender o indefensável (briga em campo). Temos um árbitro (Jérôme Brisard) que apitou a final da Copa da Liga (Francesa), mas não tem experiência para esses jogos. Temos outros árbitros”, comentou Leonardo.

Perguntado sobre as acusações de Neymar, o técnico do Paris Saint-Germain, o alemão Thomas Tuchel, disse que não viu os insultos do zagueiro do Olympique de Marselha. Mas reforçou que o atacante estava indignado. ” Neymar disse que sofreu um insulto racista. Eu não ouvi nada no campo. Racismo, na vida e em todas as áreas, inclusive no esporte, não deve existir”, afirmou.

INDIGNAÇÃO – Horas após alegar ter sido vítima de racismo, Neymar atacou González nas redes sociais neste domingo. “Único arrependimento é não ter dado na cara desse babaca”, escreveu. Pouco depois, reclamou do árbitro de vídeo por causa de sua expulsão. “VAR pegar a minha ‘agressão’ é mole. Agora eu quero ver pegar a imagem do racista me chamando de ‘mono hijo de… (macaco filha da…) Isso eu quero ver! E aí? Carretilha você me pune. Cascudo sou expulso. E eles? E aí?”, questionou.