(Divulgação/Tottenham)
Aconteceu de novo e na mesma rodada. Dois dias depois da partida entre Everton e Manchester City ser adiada por conta de casos de covid-19 no elenco do time de Manchester, a Premier League, empresa que organiza o Campeonato Inglês, teve que fazer o mesmo nesta quarta-feira com o duelo entre Tottenham e Fulham, em Londres, pela 16.ª rodada. O adiamento, anunciado a cerca de três horas do início, se deu após um pedido do Fulham, que informou casos positivos nesta semana.

Este é o terceiro jogo do Campeonato Inglês adiado por um surto do novo coronavírus na temporada 2020/2021. No começo deste mês, a partida entre Newcastle e Aston Villa, em Newcastle, foi suspensa por casos positivos na equipe da casa.

Já na concentração para a partida, o técnico português José Mourinho, do Tottenham, sabendo dos rumores do adiamento, fez uma crítica nas redes sociais. “Jogo às 18 horas (de Londres). Seguimos sem saber se jogaremos. Melhor liga do mundo”, escreveu o treinador, em seu clássico tom de ironia em um post no Instagram, mostrando uma foto dos jogadores aguardando a decisão

Na terça-feira, a Premier League já havia anunciado que foram detectados 18 novos casos de covid-19 na bateria de testes realizada junto aos 20 clubes da elite da Inglaterra entre os últimos dias 21 e 27 em 1.479 jogadores e funcionários – não se sabe se os infectados do Fulham estão nessa lista. Trata-se do maior número de infecções pelo novo coronavírus identificadas entre jogadores, superando as 16 que tinham sido registradas entre 9 e 15 de novembro.

Desde o início da nova temporada, em setembro, 131 pessoas na principal divisão do futebol inglês tiveram resultados positivos para o novo coronavírus em 17 rodadas de testes.

Há rumores na Inglaterra de que será preciso paralisar o campeonato. O técnico do West Bromwich, Sam Allardyce, foi um dos profissionais que se manifestou publicamente a favor de uma pausa – enquanto nomes como o norueguês Ole Gunnar Solskjaer, treinador do Manchester United, e o espanhol Mikel Arteta, comandante do Arsenal, se disseram contra.

“Estou muito preocupado por mim e pelo futebol em geral. Quando ouvimos as notícias de que uma variante do vírus transmite mais rápido que o original, só podemos fazer a coisa certa, que é ter uma pausa. Tenho 66 anos e a última coisa que quero é pegar covid”, declarou Sam Allardyce.