Guilherme Appel foi formado na categorias de base do Paraná. Foto: Arquivo Pessoal

Após dois meses da paralisação dos principais torneios de futebol na Alemanha, a chanceler Angela Merkel liberou, na semana passada, que a Bundesliga retorne no próximo sábado (16), com seis partidas do campeonato alemão. A medida afeta as duas principais ligas nacionais, que deverão servir de experiência para as demais divisões. Inserido neste cotidiano do país há três anos, o meia atacante Guilherme Appel conversou com a Banda B e elogiou as medidas do governo em interromper o avanço do coronavírus durante a quarentena.

O meia paranaense, de 30 anos, que defende desde 2018 as cores do Eintracht Stadtallendorf, da terceira divisão alemã, explica que, assim como os órgãos competentes, a população entendeu prontamente a gravidade da situação e acatou a quarentena de forma rápida.

“Desde o começo a população aceitou bem a situação, que foi instaurada no dia 12 de março. É uma coisa cultural daqui. Então, quando tudo foi parado, foi mais tranquilo conseguir passar por isso e não tivemos tanto caos. Isso vem muito do que o governo, que tomou as medidas necessárias, e nos passou de tranquilidade durante todo o tempo”, explicou à reportagem.

Appel conta também que tem sido exaustivo o cronograma de treinamentos em caráter de ‘home office’, enquanto as atividades presenciais estão interrompidas. “É bem complicado, porque não é o melhor para um atleta.  São dois meses sem fazer muita coisa, só fortalecimento em casa, e você acaba perdendo muito a forma física e a preparação técnica. Até mesmo por isso é que a volta deve ser com cuidado, para que o jogador não tenha lesões, sem contar aqueles que pegaram o coronavírus e que ainda não sabem como será a resposta do seu corpo”, analisa o atleta.

Carreira

Formado nas categorias de base do Paraná, Guilherme também jogou por Athletico e Londrina, antes de ser negociado com o futebol alemão. Nesta temporada, ele disputou 16 partidas e marcou 7 gols pelo Eintracht Stadtallendorf. Além desse extenso currículo, o meia também é filho do ex-jogador Serginho Prestes, que atualmente trabalha como comentarista esportivo na Rádio Banda B.

“Tenho que admitir que foi muito bom crescer sendo filho dele. Vivi muitas coisas boas, de bastidores, que muita gente gostaria de ter presenciado. Ser filho do Serginho me abriu muitas portas, mas a exigência também sempre foi muito grande, porque a comparação sempre foi inevitável”, acrescenta.