Divulgação

A paralisação das atividades por conta da pandemia do Covid-19 não vem afetando somente clubes, atletas e demais stakeholders do futebol. Responsáveis pelos passos iniciais de grandes craques, as escolinhas também estão sofrendo com a crise e perderam a sua principal fonte de renda com a pausa nos treinos. De olho nisso, os responsáveis pelas escolas de Curitiba se reuniram e fundaram uma associação, que quer dialogar com autoridades para discutir sobre o retorno das atividades, respeitando todos os protocolos de segurança.

“Nós vemos como uma necessidade [a volta das atividades]. São muitas escolas em Curitiba e resolvemos nos unir para montar uma associação para brigar pelos nossos direitos. O comércio está voltando de alguma forma, com todas as restrições impostas. E nós também queremos voltar. Sabemos que o futebol é um esporte coletivo, mas temos outras formas de retornar sem colocar em risco a saúde de ninguém, respeitando os protocolos, com professores usando máscaras e álcool em gel para alunos e grupos restritos de até seis atletas por horário, sem trabalhos coletivos”, explica Edmar Freitas, um dos responsáveis pela associação.

O intuito dos proprietários e professores das escolinhas é amenizar os impactos negativos causados pela paralisação, já que muitos dependem da renda gerada pelas atividades. Além disso, a associação quer discutir com as autoridades a possibilidade deste retorno sem causar riscos aos profissionais e também aos alunos

“São muitas famílias que dependem destes recursos para sobreviver. Muito se fala na volta das academias, só que até agora não foi dito nada sobre a nossa atividade. Então, queremos algum posicionamento das autoridades para que possamos retornar com estas restrições. Por enquanto, o que queremos é uma volta gradual, com toda segurança possível aos professores e alunos”, completou Edmar.

Atualmente, na capital paranaense, são mais de 150 escolinhas de futebol em atividade e que estão sem aulas desde março, quando iniciou o período de quarentena.