A recente divulgação de postagens em um grupo de whatsapp, denominado “Surfistas Indomáveis”, chocou a todos que tiveram acesso a elas. Pela grosseria, pela falta de educação e pela explicitação de armações tenebrosas, nas quais parte do alto comando do Coritiba FC arquiteta sordidamente a derrubada de outra parte dessa mesma diretoria. Surreal.

A participação direta de dois integrantes do G5 Coxa – André Macias e Pierre Boulos – demonstra, além de um racha no grupo de comando do clube, uma disputa preocupante pelo poder. Junto a vários funcionários do clube (alguns já demitidos), a dupla trocava mensagens desrespeitosas, em especial contra os vice-presidentes Ricardo Guerra e Ernesto Pedroso.

Contra Pedroso, apelidado de forma desumana pelo grupo como Treme-Treme (em alusão ao Mal de Parkinson, doença que sofre o ex-comandante do futebol Coxa), o grupo arquitetou uma campanha de difamação, forjando (segundo os posts) um abaixo-assinado do Conselho Deliberativo, que motivou a renúncia do dirigente. Coincidência ou não, quem assumiu o posto foi justamente Boulos.

Sobre Ricardo Guerra, apelidado de “Laranjinha”, aparecem nas postagens incitações por parte de André Macias para que outros integrantes do grupo colocassem nas redes sociais posts chamando o ex-dirigente de “playboy herdeiro” e “feio”, coisas que segundo Macias ”irritariam” Guerra. Além disso, pode se encontrar várias ofensas morais e pessoais contra o “pipoqueiro” Guerra, segundo os integrantes do grupo.

Sobrou também para o presidente do Conselho Fiscal e para os membros que faziam a auditoria interna do clube, que também foram agredidos e ofendidos nas postagens. Jogadores do elenco profissional (alguns ainda no clube, como Negueba, Rodolfo, João Paulo, Marcos Aurélio e Cáceres) são citados com ironia e tem a sua capacidade questionada pelo atual segundo vice-presidente Macias. Até o presidente Bacellar é questionado pela turma.

Na noite do último sábado, em Porto Alegre, no hotel onde se concentrava a delegação do Coritiba, o vice-presidente André Macias falou em entrevista ao nosso repórter Osmar Antônio sobre o tema. Durante quase vinte minutos o dirigente minimizou a importância dos posts divulgados e do grupo Surfistas Indomáveis, e atacou duramente os ex-companheiros de campanha e de diretoria Ernesto Pedroso e Ricardo Guerra, insinuando armações, mentiras e traições de ambos, ao trabalho do clube.

A entrevista foi ao ar no domingo por volta das 16h, na Rádio Banda B. Logo em seguida, foram ouvidos Ricardo Guerra e Ernesto Pedroso, que refutaram as acusações, mostrando indignação sobre as afirmações de Macias, segundo ambos, levianas e mentirosas.

Após essas declarações, o presidente Rogério Bacellar falou por quase vinte minutos sobre sua revolta e perplexidade frente ao que leu nas postagens do grupo de whatsapp e afirmou serem mentirosas as acusações de André Macias, destacando que todas as ações de Ernesto Pedroso e Ricardo Guerra tinham seu conhecimento e seu aval. O presidente finalizou sua fala dizendo que, caso fossem funcionários, Macias e Boulos seriam demitidos imediatamente, mas como eleitos, somente o Conselho Deliberativo poderá decidir sobre o futuro de ambos.

Não me cabe julgar ninguém. Como bem destacou o presidente Bacellar, esse é o papel do Conselho. Somente quero destacar o “embrulho no estômago” que as postagens dos “Surfistas Indomáveis” me causaram.

A forma desumana no trato a doença do ex-dirigente Pedroso; as ofensas gratuitas a Guerra e outros membros da diretoria, conselhos e funcionários do clube; a armação para a derrubada do mesmo Ernesto Pedroso; tudo isso não me parece normal, simples, como querem afirmar os “Indomáveis” que já se pronunciaram. Tudo é alarmante. Estarrecedor.

O Coritiba não é um time de colégio, onde meninos brincam livremente, dizem o que querem dizer, sem medidas ou responsabilidades. Não!

O Coritiba é uma entidade centenária. Tem como maior patrimônio milhões de torcedores espalhados pelo Brasil e pelo mundo. O clube gere um orçamento de mais de cem milhões de reais. E seus sócios e torcedores imaginam que são representados e dirigidos por pessoas sérias e responsáveis, e não por meninos de colégio.

Por tudo isso, acredito não existir espaço para atitudes como as evidenciadas pelas postagens dos “Surfistas Indomáveis”. Nem para os “Surfistas Indomáveis”.