(Dhavid Normando/Banda B)

O Atlético viveu altos e baixos em 2018. Do título estadual com um time Sub-23, aos fracassos em competições nacionais, até a recuperação magnífica no segundo semestre. Em todos os momentos de glória, lá estava ele. Até então um desconhecido para o futebol, Tiago Nunes é o grande responsável por apresentar ao Brasil que é possível mesclar inteligência e resultado, em um país onde os dois sempre entram em conflito e transformam gênios em simples aventureiros.

Seria errôneo menosprezar Fernando Diniz, o outro treinador que passou pelo clube no ano, e limitá-lo apenas à parte ruim da temporada. Foi um grande aprendizado, um legado deixado no DNA da equipe, que aumenta ainda mais o mérito de Nunes em aproveitar a genética e criar uma identidade que vem dando muito certo.

Diante de um fraquíssimo e inoperante Fluminense, Tiago Nunes deu novamente uma lição de modernismo. Diante de um futebol que ainda insiste em se acomodar com vantagens e apelar para o reativo, o comandante rubro-negro contrariou outra vez o clichê do “que está ganhando não se mexe”. Ele mudou e criou um time ainda mais dinâmico, com Bruno Guimarães dando mobilidade e Marcelo Cirino na velocidade, e assim o Atlético venceu outra vez, com duas assistências de Cirino, uma delas para gol de Guimarães. Em termos ofensivos, o time foi letal.

Mas não para por aí. O professor ensinou ao país que posse de bola não reflete em resultado — é claro que é importante, desde que seja utilizada com inteligência. Praticamente sem ela, com 30%, o Furacão sobrou. Mostrou outra grande característica da identidade de Nunes: a organização defensiva. O treinador consertou e deu inteligência às linhas, tão falhas na era Diniz, que ontem se apresentaram perfeitas mais uma vez. Feito engrenagem, enquanto a primeira se estreitava, a segunda pulsava no combate, evitando que o adversário pudesse pressionar.

Ver o Atlético de Tiago Nunes jogar tem dado gosto. Em um futebol brasileiro tão pobre de repertório e lucidez, o comandante atleticano tem mostrado que é possível aliar boas apresentações a resultados positivos. Ganhamos e muito com um modernismo tão comum lá fora e que aqui começa a encher os olhos.

E, para aqueles que acreditavam que o futuro estava no antecessor, já podem aplaudir de pé o brilhantismo e se curvar à grande revelação do Brasil no ano.