Pato Futsal conquistou o título mais tradicional do futsal brasileiro. (Ricardo Artifon/CBFS)

O time paranaense do Pato, localizado na cidade de Pato Branco, é uma das potências do futsal brasileiro no momento. Recentemente, conquistou o título da Taça Brasil, um dos torneios mais importantes do Brasil. Além do mais, ainda briga pelas primeiras colocações na Liga Futsal e também na Série Ouro do Campeonato Paranaense.

Para falar sobre o sucesso do projeto do Pato Futsal, o supervisor Irio Brol participou da última edição do Mundo dos Esportes. Ele falou sobre os últimos resultados da equipe paranaense e também revelou um plano para a construção de um novo ginásio em Pato Branco.

Leia a entrevista com Irio Brol

Como foi a campanha do título inédito na Taça Brasil? Logo na primeira fase foram três confrontos contra times que disputam a Liga Futsal. 

A Taça Brasil foi uma competição de certa forma de espanto para nós. A divisão no grupamento causou preocupação para nós. Tínhamos quatro equipes, além de nós, que disputam a Liga Nacional. E a outra equipe [Horizonte-CE] faz um bom trabalho no cenário brasileiro. Tivemos alguns percalços durante as partidas, o que nos impossibilitou a vitória, mas nos deixou vivo na competição. Tivemos três confrontos diretos contra o Joinville, Atlântico e Horizonte. Decidimos a vaga em um confronto direto contra a Minas e conseguimos um placar que nos garantiu os três pontos para avançar em segundo.

Na semifinal, nós cruzamos com o Sorocaba, atual campeão brasileiro e equipe do craque Falcão. Buscamos a vitória na prorrogação e nos credenciou a disputar a grande final contra o Erechim. Já a decisão foi bastante complicada e que tinha o apoio da torcida. Em uma intenção muito favorável, o pessoal levou 200 torcedores que nos incentivou muito durante a partida. O Atlântico sempre esteve a frente do placar, mas buscamos o empate e fomos para a prorrogação. Conseguimos o empate no primeiro tempo e abrimos dois gols no final.

Esse título da Taça Brasil dá uma confiança muito grande para o Pato na sequência da temporada.

Com certeza. É um título inédito para a cidade de Pato Branco. A modalidade do futsal no Paraná se credencia entre os melhores do Brasil e nos favorece na disputa da Supercopa e também o Sul-Americano.

Quando serão disputados a Supercopa e Sul-Americano?

A Supercopa geralmente é disputada no começo do ano e, em seguida, o Sul-Americano. Agora é focar no final do ano, terminar de disputar as competições que ainda estão em andamento. Temos a continuidade do Paranaense que vai se findar a primeira fase no meio de setembro e também na Liga Futsal.

O ginásio Dolivar Lavarda tem capacidade para 1.600 torcedores. Existe algum projeto para ampliar a capacidade?

Existe uma adaptação para a estrutura. O prefeito, o vice e alguns deputados conseguiram uma verba que nos credenciava a aquisição de um piso. Esse piso tem um amortecimento que dá melhores condições aos atletas. Esse piso já será implementado nos próximos dias. Faremos também o colocamento de algumas cadeiras, trocaremos o placar e, em última situação, conseguimos o recurso federal de R$ 10 milhões para fazer uma arena que vai acolher todos os esportes de Pato Branco.

Para quando é o projeto?

O projeto já está finalizando e licitação empenhada com algumas empresas. Já é uma verba liberada. Só falta os trâmites legais no quesito das licitações para dar início a essa obra.

E pensando nas fases finais da Liga Futsal, existe algum empecilho de jogar em Pato Branco?

Precisa ter um ginásio com capacidade mínima de três mil pessoas nas semifinais e finais. Para nós, eventualmente, vai nos impossibilitar.

Pela campanha que o time vem fazendo na temporada, é uma questão a ser pensada. Já foi pensado um outro ginásio para as fases finais?

No início da competição, eu credenciei a cidade de Guarapuava para ser a segunda cidade. Temos que ver com a organização da Liga para ver se vai aprovada ou não. Se não, vamos ver outra cidade.

Ouça a entrevista na íntegra