Gisele Miró se posicionou contra o ranking de jogadoras na Superliga. (Divulgação/Curitiba Vôlei)

Em reunião realizada em sua sede no Rio de Janeiro, a Confederação Brasileira de Vôlei manteve o polêmico ranking de atletas para a próxima edição da Superliga Feminina. Os representantes de oito dos dez times garantidos na temporada 2020-2021 estiveram no encontro e cinco deles votaram a favor da continuidade do ranking e do aumento de duas para três estrangeiras em cada time.

A polêmica foi ainda maior na votação porque Curitiba Vôlei e São Paulo/Barueri, por economia de despesa, não enviaram representantes na reunião e enviaram seus votos contra o ranking por e-mail. Porém, os votos dos dois clubes não foram considerados. Portanto, o resultado final da votação seria 6 a 5 para a extinção do ranking de jogadores.

Através de nota oficial, a coordenadora do Curitiba Vôlei, Gisele Miró, explicou o posicionamento da equipe sobre a extinção do ranking e o aumento no número de estrangeiras. “O Curitiba Vôlei enviou seu posicionamento e voto por meio do e-mail oficial da equipe, mas não teve a participação computada no resultado final. A equipe se posicionou pela extinção do ranking e a favor da contratação de três atletas estrangeiras para a próxima temporada”, disse.

O ranking na Superliga já é alvo de muitas reclamações das jogadoras. As levantadoras Dani Lins, Fabíola e Macris, as centrais Thaísa e Fabiana, as ponteiras Fernanda Garay, Gabi e Natália, e as opostas Tandara e Tiffany são as jogadoras com a pontuação máxima de sete pontos. Cada clube só pode contar com duas atletas de sete pontos.

Confira a nota completa do Curitiba Vôlei

Nesta quinta-feira, dia 12 de março, foi realizada, na sede da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV), no Rio de Janeiro (RJ), a reunião para definição da manutenção do ranking de atletas e número de estrangeiras por equipe. O Curitiba Vôlei enviou seu posicionamento e voto por meio do e-mail oficial da equipe, mas não teve a participação computada no resultado final. A equipe se posicionou pela extinção do ranking e a favor da contratação de três atletas estrangeiras para a próxima temporada.

Atenciosamente, 

Gisele Miró, coordenadora do Curitiba Vôlei