Curitiba Vôlei se prepara para a segunda temporada na Superliga. (Divulgação)

Três meses após o final da última temporada, o Curitiba Vôlei voltou às atividades na Universidade Positivo de olho na nova edição da Superliga Feminina, que deve começar em novembro. As jogadoras realizam nesta semana os exames e os testes físicos e iniciam a partir da próxima segunda-feira (22) os trabalhos em quadra.

A grande novidade no grupo do Curitiba Vôlei é a troca no comando técnico. Durval Nunes, o Duda, que foi auxiliar do italiano Stefano Lavarini, do Minas, campeão da última temporada, chega para substituir Clésio Prado. “A gente disputou, quando eu trabalhava no Minas, as quartas de final [da Superliga] em Curitiba. Vi a estrutura, achei interessante e era muito bem organizada. Conhecendo algumas jogadores, eu perguntei como era e, mais para frente, recebi uma sondagem do Curitiba. Sair do Minas de assistente para o Curitiba com essa estrutura e como técnico foi o que me motivou a ir atrás desse desafio”, comentou o novo treinador, em entrevista ao podcast do Mundo dos Esportes.

Em relação ao elenco, o Curitiba Vôlei renovou com sete jogadoras que disputaram a última Superliga: a levantadora Mari Galón, as centrais Valeskinha, Vivi Góes e Mari Aquino, as opostas Talia e Sabrina Machado e a líbero Aninha. O clube ainda já contratou seis atletas para reforçar o elenco: a levantadora Maria Alejandra, a central Mayara Santana, a oposta Sara Dias e as ponteiras Viviane Braun, Yasmin Lara e Dayse.

Para Gisele Miró, diretora do Curitiba Vôlei, a equipe vai continuar surpreendo após chegar aos playoffs em sua primeira temporada na Superliga. “Além da nova proposta de trabalho do Duda, teremos um time forte, já que buscamos contratar atletas que se encaixam no nosso projeto de integrar o esporte à educação. Com certeza, isso vai refletir nos resultados em quadra. A expectativa é que as partidas disputadas em Curitiba mantenham a boa média de público, pois os curitibanos são grandes fãs desse esporte”, comentou.