Thiago Wild. (Lucas Balduino/CBT)

Dias após de revelar que testou positivo para a covid-19, o tenista paranaense Thiago Wild está sendo investigado pela Polícia Civil do Paraná. Um inquérito foi aberto na quinta-feira (26) para saber o jogador saiu da quarentena em Marechal Cândido Rondon, onde está com a família, enquanto aguardava o resultado do teste para o novo coronavírus.

Em entrevista ao Globoesporte.com, o delegado de Marechal Cândido Rondon, Rodrigo Baptista Santos, declarou que a equipe recebeu diversas denúncias de pessoas que viram Wild pela cidade. O tenista teria feito exercícios na rua e ido a uma academia de tênis. “Fomos oficiados pelo Ministério Público e pelo Judiciário Local, solicitando também a apuração minuciosa desse acontecimento. Tudo partiu de um vídeo publicado pelo próprio atleta em que ele relata apresentar alguns sintomas e que, com a confirmação da infecção pelo COVID-19, ele passaria então a ficar em isolamento”, declarou.

“Sendo assim, diversas denúncias chegaram a nós de que, anteriormente a esse vídeo, o atleta foi visto transitando em locais na cidade, por isso então a instauração desse procedimento para apurar se ocorreu algum tipo penal imputável ao atleta”, acrescentou o delegado.

Thiago Wild pode ser enquadrado no artigo 268 (infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa). A pena varia de um mês a um ano de detenção, além de multa.

Defesa do tenista

Através da assessoria de imprensa, Wild se defendeu das acusações. “Eu, Thiago Seyboth Wild, venho através da presente nota, esclarecer alguns fatos que se tornaram alvo de mentiras, o que gerou proporções muito maiores de pessoas desocupadas, que sequer tinham qualquer conhecimento da realidade, que divulgaram inúmeros áudios no WhatsApp e em redes sociais.

Primeiramente, quando no primeiro vídeo que postei sobre a minha situação, ao me referir que tenho levado uma “vida normal”, pretendi demonstrar que, o meu dia a dia, é como de qualquer outra pessoa em uma situação em quarentena, tomando os devidos cuidados e não expondo ninguém ao risco, diferentemente do que entenderam.

A minha vida, como atleta, tem rotinas diárias de treinamentos, resumindo-se a: acordar, me alimentar, treinar e voltar a me alimentar e novamente a treinar até o momento de repousar e iniciar tudo outra vez no dia seguinte, fato este que para mim, é uma situação normal e que apenas tem interrupções mediante torneios e férias.

Assim, quando apresentei o menor sintoma que pudesse caracterizar contágio por COVID-19, prontamente me isolei em casa e aguardei orientações médicas, isto ainda no Rio de Janeiro, dia 15/03/2020.

No dia 17/03/2020, não mais tendo a febrícula que havia apresentado (37,5°, quando o normal é entre 36,5 a 37°), em decisão conjunta com meu treinador e o médico particular que me atende no Rio de Janeiro, optei por me tratar juntamente a meus familiares, SEMPRE TOMANDO TODOS OS CUIDADOS NECESSÁRIOS.

Estando em minha cidade natal, não tive contato com qualquer outra pessoa, apenas necessitei ir ao cartório, onde foram tomados todos os cuidados necessários, tais como, utilização de álcool em gel e NENHUM CONTATO FÍSICO COM QUALQUER PESSOA.

Minhas rotinas do dia a dia passaram então a ser de alguém que possui uma vida normal no seu dia a dia de estar em casa (sem treinos), porquanto pessoas que desconhecem a realidade, não sabem o quanto é difícil o cotidiano de um atleta de alto rendimento.

Os treinos físicos e a corrida diária de 15 minutos na rua não são proibidos quando tomados os devidos cuidados e, até mesmo indicados, para que a saúde mental esteja em condições de fazer com que possa ser suportada a situação. EM NENHUM DESTES TREINOS TIVE CONTATO COM OUTRAS PESSOAS.

AINDA, O TREINO DE QUADRA SEMPRE FOI REALIZADO DE FORMA ISOLADA, NÃO HAVENDO CONTATO COM QUALQUER OUTRA PESSOA.

Desta forma, NADA DAQUILO TUDO QUE FOI DITO POR CERTAS PESSOAS OPORTUNISTAS DE PLANTÃO EXPRESSA A REALIDADE. JAMAIS FIZ QUALQUER FESTA OU ESTIVE EM FARMÁCIA CONFORME DIVULGADO EM ÁUDIO FAKE. ASSIM TAMBÉM, É FALSA A AFIRMAÇÃO DE QUE ESTIVE ABRAÇANDO PESSOAS NA RUA OU NO REFERIDO ESTABELECIMENTO ANTERIORMENTE MENCIONADO, POIS, TENHO FEITO TODAS AS NORMAS DE CONDUTA DETERMINADAS.

Após o diagnóstico do exame, o qual ainda necessita de contraprova, mantive total isolamento, inclusive mantendo alimentação em pratos/talheres que não são misturados com os demais, coisa que já fazia antes do resultado e continuarei fazendo, por precaução e cuidado.

Ainda sim, conforme divulgou a Secretária de Saúde de Marechal Candido Rondon, Marciane Specht, PARA SER OBRIGATÓRIO O ISOLAMENTO, são precisos a partir de dois sintomas do Covid-19 como febre e um sintoma respiratório, o que não foi o meu caso.

As falácias contadas trouxeram aborrecimentos e humilhação para mim e minha família, por todas as mentiras inventadas e que jamais serão desfeitas, pois, pessoas que sequer me conhecem aumentam os comentários fakes, mas que ocorrem somente nesta cidade e não em âmbito nacional, onde ao invés de ser atacado, tenho recebido inúmeras mensagens de apoio, inclusive de pessoas que também não conheço, mas são mais esclarecidas do que estas pessoas que cuidam mais da vida alheia do que da própria.

Por fim, venho esclarecer que aqueles que divulgaram mentiras e áudios fakes, serão responsabilizados por suas atitudes perante a justiça”.