Uma equipe da TV Integração, afiliada da Globo no interior de Minas Gerais, foi agredida na manhã desta quinta-feira (29) no município de Prata (região do Triângulo Mineiro). O repórter Arcênio Corrêa e o cinegrafista Stanley Matias faziam uma reportagem na cidade.

Eles entrevistavam funcionários do Pronto Atendimento de Saúde Municipal (PAM) a respeito de denúncias de moradores sobre as condições do local. Um homem que se identificou como Jackeny Melo e seria médico do posto tentou tirar o microfone e o celular do repórter.

 

 

Outro homem, que não foi identificado, agarrou o jornalista e tentou enforcá-lo por trás com um golpe conhecido como mata-leão. O cinegrafista deixou a câmera ligada e registrou a agressão. No vídeo, também é possível ver que o homem não-identificado joga um celular no chão e foge.

A TV Integração diz que a Polícia Militar foi acionada e que a equipe fez um boletim de ocorrência. Corrêa teve escoriações leves.

O prefeito da cidade, Anuar Arantes Amuy (MDB), afirmou à emissora que os agressores foram identificados e que vai abrir um procedimento administrativo contra eles. Entidades como a Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão) e a Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) divulgaram notas repudiando o ataque.

A Associação Mineira de Rádio e Televisão (AMIRT) repudiou, veementemente, o episódio e pediu que os fatos sejam apurados. A AMIRT ainda classificou o caso como uma ameaça à liberdade de imprensa e à democracia brasileira. Leia a nota na íntegra:

“A Associação Mineira de Rádio e Televisão (AMIRT) repudia, veementemente,as agressões físicas praticadas contra o jornalista Arcênio Corrêa, que ocorreram em Prata, no Triângulo Mineira, na manhã desta quinta-feira (29).

Na ocasião, o profissional e o cinegrafista Stanley Matias estavam em frente ao Pronto Atendimento de Saúde Municipal (PAM) entrevistando pessoas para mostrar a situação da saúde na cidade e ouvir os candidatos. Enquanto conversava com um funcionário da PAM, um médico local chegou até os profissionais para tirar satisfação e praticou as agressões.

A AMIRT espera que os fatos sejam investigados com o rigor que devem ser norteadas todas as apurações. Além disso, a entidade aguarda que os envolvidos respondam por seus atos. Mais do que isso, a AMIRT entende que o respeito mútuo é essencial na construção de uma nação equilibrada e justa.

Em momentos em que o país atravessa turbulências políticas, radicalização de ideias e princípios, além de crise financeira, atos como este podem representar sérias ameaças contra a Liberdade de Imprensa e de Expressão e a Democracia Brasileira.

Luciano Pimenta Correa Peres, Presidente”