É uma segunda festiva, de comemoração. O Roda Viva, da TV Cultura, às 22h, forma uma bancada especial de ex-apresentadores – Daniela Lima, Heródoto Barbeiro, Rodolpho Gamberini, Matinas Suzuki e Paulo Markun – para entrevistar o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. A colunista do Estadão, Vera Magalhães, comanda atração que comemora na terça, 29, 34 anos.

Já a Globo comemora os 35 anos do Criança Esperança com shows e uma diferença significativa, em tempos de pandemia – o telespectador fica com a festa, mas nesta edição as doações serão feitas somente por empresas. A Globo colocou todo o seu time para fazer as chamadas do Criança Esperança 2020. Não vai ter nem Tela Quente, um dos horários de filmes de maior audiência da emissora.

O primeiro Roda Viva, em 29 de setembro de 1986, foi com o ministro da Justiça do governo de José Sarney, o político gaúcho Paulo Brossard, notório opositor do regime militar. Em 17 de agosto de 1987, o Roda Viva colocou Hebe Camargo no centro do debate. A roteirista Carolina Kotscho valeu-se do programa para criar a Hebe polemista do filme que virou série e candidatou Andréa Beltrão ao Emmy Internacional, mas minimizou, quando não omitiu, as farpas da apresentadora do SBT contra a Globo.