“Eduardo Sterblitch não tem um Talk Show” surgiu como uma peça de teatro, mas, nesta sexta-feira (5), se reinventa e se transforma em atração de streaming exclusiva da Globoplay, sob o nome de “Sterblitch não tem um Talk Show: o Talk Show”.

Em tempos de quarentena, o programa digital comandado por Eduardo Sterblitch é gravado inteiramente na casa do humorista. A ideia, segundo ele, é promover uma “terapia em grupo” com conversas sobre os mais diferentes assuntos via live com anônimos (da plateia virtual, criada mediante pré-inscrição) e famosos (como Fábio Porchat e Fátima Bernardes). Tais conversas semanais serão editadas e, na sexta-feira seguinte, lançadas como o programa na Globoplay.

“Minha vontade é fazer exatamente o contrário dos talk shows; não conversar com famosos, mas com o público”, resume o humorista em conversa com a imprensa via videoconferência. “O público monta o programa junto com a gente. É uma paródia com a quantidade de humoristas que fazem talk show, […] uma brincadeira mais ‘deep web’, como se a gente fosse um vírus. Fazemos um programa que nem a globo sabe que tem”.

Foto: Reprodução/Instagram

Aberto a todos os temas, Sterblitch diz que se permite abordar assuntos recorrentes, como a política, mas que a intenção é falar sobre “os assuntos que nem todo mundo está falando”. “Eu não aguento mais ficar discutindo”, diz.

Questionado sobre se resistiria a entrevista alguém, ele afirmou que não. “Tem muitas pessoas que eu não gosto, mas acho que mesmo assim os entrevistaria. Sou curioso acima de raivoso”, diz ele. “Quanto mais nervoso eu fico, artisticamente, mais atento eu fico e mais presente”.

O “talk show” do nome, segundo ele, é uma forma de popularizar o programa, uma vez que o formato costuma ser atrativo para o público. “Ele não tem essa responsabilidade de ser um programa de televisão”, explica. “Pra mim é muito mais uma peça do que um programa de televisão”.

No programa, o humorista pretende ser “um Edu cru”, seguindo seus trabalhos de teatro, mas voltado para a internet. Para isso, conduzirá durante as lives games e dinâmicas divertidas com a linguagem da web durante o programa, incluindo a criação de memes e trollagens.

“Nunca imaginei que faria televisão e ficar famoso. O Edu raiz é muito insuportável, e meio metido”, brinca. “Descobri que eu era engraçado no pânico, porque me chamaram para fazer mais de uma vez.”

Olhando para frente, Sterblitch ainda quer “fazer de tudo” – mas somente se o público permitir. “Se o público me cancelar, talvez eu não consiga. Mas se eu continuar não sendo cancelado, consigo”.