A atriz Scarlett Johansson, 34, famosa por filmes como “Os Vingadores”, “Lucy” e “Ele Não Está Tão a Fim de Você”, lamenta ter sido “hiperssexualizada” no início da carreira.

Foto: Reprodução

“Sinto que quando eu estava trabalhando aos meus 20 e poucos anos e até o final desses 20 anos, de alguma forma, fui estigmatizada. Eu era muito hiperssexualizada”, disse a atriz em uma mesa redonda da revista norte-americana The Hollywood Reporter.

“Eu acho que na época parecia ‘ok’ para todo mundo. Foi outro tempo”, continuou. “E acho que funcionou na época, mas foi realmente difícil para mim tentar descobrir como deixar de ser uma ingênua, ou ‘a outra mulher'”.

Ela conta que pensou em seguir uma carreira diferente por conta da sexualização, algo que a “preenchesse” mais, porque “parecia que não havia para onde ir”.

Foi então que ela entrou para o teatro e atuou na Broadway, em “A View From the Bridge” (2010), projeto que rendeu um Prêmio Tony a ela.

Segundo a atriz, o trabalho “redefiniu totalmente minha maneira de pensar sobre como eu poderia trabalhar e os diferentes tipos de oportunidades que poderiam estar disponíveis para mim”.