Em razão da pandemia decorrente do novo coronavírus e da paralisação dos shows por tempo indeterminado, Luan Santana teve de dispensar 20 funcionários.

(Foto: Divulgação)

 

De acordo com nota divulgada por sua assessoria de imprensa, os colaboradores eram das áreas da banda, técnicos e de produção. Todos eles tinham contrato em regime de CLT e terão as garantias pagas até dia 5 de agosto. Eles também terão os acertos rescisórios que compreendem todos os direitos previstos em lei, tais como férias, 13º salário, multa de 40% sobre o FGTS e entrega da documentação necessária para habilitação dos colaboradores no programa do seguro desemprego.

Luan Santana conseguiu segurar os colaboradores por ao menos cinco meses de pandemia mesmo sem shows e com queda de faturamento. Agora, com as demissões, garante que, assim que a situação se normalizar, os dispensados terão prioridade numa recontratação.

Até então, Luan conseguia segurar sua equipe. Até mesmo para uma live que passou na Globo, Multishow e no Globoplay ele teve a ajuda de sua equipe. Com estética inspirada nos anos 1980, a live teve as participações especiais do padre Fábio de Mello, em “Aleluia”, e de Luísa Sonza, em “Tudo o Que Você Quiser”. Durante a apresentação, também foi gravado o clipe da música “Asas”, faixa inédita escrita por Matheus Aleixo (da dupla com Kauan).

E deu certo. A apresentação rendeu à Globo uma média de 18,4 pontos de audiência e um pico de 20,4 na Grande São Paulo, segundo levantamento feito em tempo real pela Kantar Ibope Media -para fins de comparação, o segundo lugar manteve uma média de 4,8 pontos. Foram 30 milhões de telespectadores só na TV aberta. No canal oficial do cantor no YouTube, a live teve pico de 305 mil espectadores. Além de figurar nos trending topics do Brasil, a apresentação ultrapassou as barreiras geográficas e chegou até os TTs mundiais com três milhões de menções à hashtag oficial.