Por meio de seu canal do YouTube, chamado Ponto G, Geisy Arruda, 30, falou sobre o fetiche de transar com anões. “Imagine as posições que dá para fazer. É normal ter vontade de transar com pessoas teoricamente diferentes da gente. O homem também tem vontade de transar com uma anã. Por que eu não posso”, questionou a modelo.

(Foto: Reprodução/Instagram)

A polêmica veio à tona cerca de 20 dias após Arruda ter feito a revelação ao portal IG. “Eu sempre quis transar com um anão para ver como é! Esse é um fetiche que eu não desisti ainda. Eu já vi vídeos e costuma ser normal o membro. Sempre quis ver, iria ficar tipo: ‘Olha que legal, é igual’. Ficaria uns cinco minutos olhando”, disse a influenciadora ao portal.

No vídeo, ela explica de maneira detalhada a razão desse desejo. “Imagine transar com um homem em miniatura, mas que nem tudo nele é pequeno. Imagine as posições que dá para fazer. É como um homem portátil. Deve ser muito divertido. Tenho recebido e-mails de anões do Brasil inteiro se oferecendo para ser meus anões. Estou me sentindo a Branca de Neve”.

Ela finalizou o conteúdo incentivando os espectadores a realizarem suas fantasias, dizendo que só não satisfez o próprio desejo por não ter encontrado seu anão. Arruda prometeu, ainda, que se um dia transar com um anão contará ao público como foi a experiência.

Arruda ficou conhecida do grande público há dez anos. A então estudante de turismo causou um alvoroço na sede da Universidade Bandeirante de São Paulo, em São Bernardo do Campo (ABC paulista). Na ocasião, ela foi xingada e humilhada por muitos alunos por estar usando um vestido curto.