O ator Gésio Amadeu, 73, mobilizou seus colegas nos últimos dias depois que precisou de uma transfusão de sangue para tratar os efeitos da Covid-19, que ele contraiu em maio.

Depois de usar as redes sociais do pai para comunicar que haviam conseguido doações de sangue necessárias para auxiliar no tratamento, Mário Amadeu fez uma publicação narrando a saga do ator de “Chiquititas” e fazendo um desabafo.

Em uma foto ao lado de Gésio, Mário contou que o pai contraiu o novo coronavírus no final de maio, quando precisou ficar na UTI por causa de sua pressão, que estava muito alta. Foi ao longo desses primeiros oito dias de internação, a família acredita, que a contaminação ocorreu.

Depois de receber alta e ir para um quarto, Gésio teve febre. Após uma tomografia, havia a suspeita de que o ator estava com Covid-19, pois seu pulmão apresentava anormalidades.

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

“Muitos sabem e muitos não sabem mas estou aqui para esclarecer algumas coisas que estão acontecendo com meu pai que pegou COVID. Meu pai, o ator Gesio Amadeu, no dia 24 de maio, foi a um primeiro hospital para realizar exames pois estava com a pressão alta fazia dias. Como a pressão não abaixava, por determinação médica, ele foi internado. Ele ficou 8 dias na UTI e provavelmente lá ele contraiu Covid. Foi na UTI deste primeiro hospital que meu pai teve febre a primeira vez. Ele teve alta e foi para um quarto, aí eu comecei a acompanhar o meu velho. No quarto que ele teve febre uma segunda vez. Fizeram uma tomografia que constatou uma suspeita alta de Covid. O pulmão dele estave já tomado. Enquanto não vinha a confirmação pelo exame PCR, nós como família entendemos que era importante irmos para um hospital com melhores condições para atendê-lo, que nos desse segurança pelo tratamento adotado, e dentro de um plano de saúde com melhor qualidade. Dia 8 de junho ele saiu deste primeiro hospital e foi para o Sancta Maggiore. A essa altura o pulmão do meu pai já estava bem mais comprometido. Por estar próximo do meu pai e cuidando dele, acabei contraindo COVID também. Fui medicado, ficando 14 dias em tratamento e quarentena domésticos, e hoje tô zerado. Meu pai está atualmente na UTI, recebendo o melhor tratamento possível, conforme a percepção da nossa família. Depois de uns dias no novo hospital, veio a confirmação do exame do primeiro hospital. Mas a essa altura já sabíamos que era Covid e ele já estava sendo tratado. Como todos os que amam nosso pai, queremos tê-lo de volta, com o sorriso típico dele estampado naquele rosto lindo e a sua risada preenchendo a sala e a cozinha, onde ele sempre cuidou da gente. Ele está em estado grave mas apresentando melhoras a cada dia. No momento suas orações, seus pensamentos positivos e suas boas energias são essenciais para que meu pai saia dessa. Nós, da família, agradecemos muito se juntos pudermos vencer essa guerra, talvez não de mãos dadas, mas de corações entrelaçados.” Mário Amadeu

Uma publicação compartilhada por Gésio Amadeu (@gesioamadeu.ator) em

 

Foi então que os parentes decidiram transferir Gésio para um outro hospital. “A essa altura o pulmão do meu pai já estava bem mais comprometido”, escreveu Mário. A confirmação do diagnóstico inicial veio em seguida.

O filho então desabafou, e disse que também contraiu o novo coronavírus enquanto acompanhava o tratamento do pai. “Por estar próximo do meu pai e cuidando dele, acabei contraindo Covid também. Fui medicado, ficando 14 dias em tratamento e quarentena domésticos, e hoje estou zerado”, escreveu.

Atualmente, Gésio está na UTI do hospital Santa Maggiore, em São Paulo, em estado grave, mas apresentando melhoras, de acordo com Mário.

“Como todos os que amam nosso pai, queremos tê-lo de volta, com o sorriso típico dele estampado naquele rosto lindo e a sua risada preenchendo a sala e a cozinha, onde ele sempre cuidou da gente”, escreveu ainda.

“No momento, suas orações, seus pensamentos positivos e suas boas energias são essenciais para que meu pai saia dessa. Nós, da família, agradecemos muito se juntos pudermos vencer essa guerra, talvez não de mãos dadas, mas de corações entrelaçados.”