Fábio Assunção posa para a revista ‘Trip’. Foto: Fernando Young/Revista Trip/Divulgação

 

O ator Fábio Assunção fez críticas ao ex-prefeito de São Paulo e pré-candidato do PSDB ao governo do Estado, João Doria, pela operação policial que conduziu, em maio do ano passado, na Cracolândia, na região da Luz.

“O que o Doria fez na Cracolândia foi uma violação de direitos humanos flagrante, uma coisa absurda”, disse à revista Trip.

Assunção chegou a propôr um grupo de debate com o ex-prefeito sobre a melhor maneira de abordar o problema. Em sua opinião, a atual política contra as drogas adotada no País é errônea.

“O Brasil tem muito o que mudar nessa área, que é central. Se jogar a droga na ilegalidade, ela vira um instrumento de extermínio”, declarou.

O artista também fez um desabafo sobre sua luta contra a dependência química, afirmando que a batalha contra o vício é diária e que a fama o atrapalhou no início..

“A primeira vez que achei que as coisas estavam saindo do meu controle, em 2008, fui ao AA (Alcoólicos Anônimos). Estava me sentindo envergonhado, muito preocupado com as pessoas saberem. Cara, na hora que eu saí, tinha um paparazzo do lado de fora. Então, eu nunca tive a possibilidade de viver esse processo com privacidade”

Fábio contou que começou a usar drogas para evitar sentir emoções para as quais não estava preparado.

“Se você está feliz, se está com saudade, se tem uma perda ou se acaba um relacionamento, tem que vivenciar isso e dói. Então acho que [usar drogas] foi uma forma de não sentir, uma coisa que eu não tinha preparo para me relacionar.”