A pandemia do novo coronavírus representou um baque para a classe artística no ano de 2020. Muito além dos cancelamentos de shows e fechamentos dos cinemas, a perda mais triste foi com certeza a de artistas contaminados pelo vírus que não conseguiram se recuperar.

 

Foto: Folhapress/Montagem

 

Uma das primeiras mortes entre as celebridades brasileiras foi a do funkeiro MC Dumel, que morreu em abril, após alguns dias na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) de um hospital no Rio de Janeiro. Com apenas 28 anos e nenhum problema de saúde anterior à Covid, sua morte chocou os fãs.

Já fora do Brasil, um dos casos mais noticiados foi o do ator canadense Nick Cordero, que morreu no dia 5 de julho aos 41 anos, após 95 dias internado. Ele chegou a ser colocado em um respirador e sofreu várias complicações nesse período, como a amputação de uma das pernas, em abril.
Também morreram em decorrência da Covid-19 artistas como Nicette Bruno, Daysi Lucídi, Eduardo Galvão, entre outros.

Relembre alguns nomes que nos deixaram neste ano devido à Covid-19:

MC Dumel

O funkeiro de 28 anos foi o primeiro artista brasileiro a morrer em decorrência do novo coronavírus. A morte foi confirmada pela família no dia 16 de abril, após o músico receber o resultado positivo para a Covid-19 quatro dias antes.

O cantor carioca ficou internado na UTI do Hospital Couto Maia, em Salvador, e precisou ser sedado. MC Dumel não tinha nenhuma doença preexistente, como hipertensão ou diabetes. Sua esposa também contraiu a doença, mas se recuperou sem maiores complicações.

Daisy Lúcidi

Ainda no início de maio, a atriz Daisy Lúcidi morreu aos 90 anos devido a complicações causadas pelo novo coronavírus. Ela ficou internada no Hospital São Lucas, no Rio de Janeiro, por cerca de 15 dias.

Lúcidi comandou durante 46 anos o programa “Alô Daisy”, da Rádio Nacional, atuou em novelas como “Paraíso Tropical”, de 2007, “Passione”, de 2010, e “Geração Brasil”, de 2014.

Em nota, Luiz Claudio Mendes, neto da atriz, disse: “Nos confortamos em saber que ela teve uma vida plena e feliz, cheia de amor, vitórias e realizações, e que seu legado sempre estará presente entre nós.”

Fabiana Anastácio

A cantora gospel Fabiana Anastácio, conhecida por músicas como “Adorarei”, “Sou Eu” e “É Tudo Dele”, morreu no início de junho aos 45 anos, também em decorrência da Covid-19. “Deus decidiu levar nossa Fabiana Anastácio para seus braços”, afirmou comunicado divulgado com a família.

A família da cantora havia iniciado uma vaquinha online para ajudar a pagar os custos do tratamento, feito inicialmente num hospital particular de São Paulo. A vaquinha chegou a arrecadar R$ 15 mil, mas a cantora não conseguiu se recuperar.

A cantora gospel Fabiana Anastácio, que faleceu na quarta-feira (4) em decorrência da Covid-19 Divulgação A cantora gospel Fabiana

Aldir Blanc

A Covid-19 também levou um dos mais importantes letristas da música brasileira Aldir Blanc, autor de “O Bêbado e a Equilibrista”. Ele tinha 73 anos e estava internado desde 15 de abril na UTI do Hospital Universitário Pedro Ernesto.

Antes da confirmação de que havia contraído o novo coronavírus, Blanc teve uma infecção urinária e pneumonia, o que o fez ficar 24 dias na unidade hospitalar antes de morrer.

Miss Biá

Eduardo Albarella, conhecido como Miss Biá, morreu no início do mês de junho, aos 79 anos, também devido à Covid-19. Pioneiro do transformismo e drag queen, o artista ficou internado por cerca de dez dias em um hospital particular em São Paulo antes da morte.

Na época, a Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, divulgou nota de pesar. “Miss Biá, persona de Eduardo Albarella, começou na arte do transformismo no início da década de 1960 e não parou mais. Arte, irreverência e bom humor. Estamos em luto. A saudade estará sempre presente.”

Rodrigo Rodrigues

O jornalista Rodrigo Rodrigues morreu no dia 28 de julho, aos 45 anos, no Rio de Janeiro, cerca de 15 dias depois de ser diagnosticado com a doença. Inicialmente, ele relatou apenas sintomas fracos, como perda de paladar e olfato, mas seu quadro agravou poucos dias antes de sua morte.
Segundo boletim médico divulgado na época, ele manifestou dor de cabeça, vômitos e desorientação. Já internado, os exames constataram que ele teve uma trombose venosa cerebral em decorrência do coronavírus.

Gésio Amadeu

O ator Gésio Amadeu morreu no início de agosto, aos 73 anos, após mais de um mês internado em um hospital de São Paulo, por causa do novo coronavírus. “Não perdemos somente um grande ator, um grande amigo, um grande pai, avô e esposo”, dizia o texto compartilhado pela família do artista.

 

 

Segundo seu filho Mário Amadeu, o ator precisou ficar na UTI por causa da pressão alta, e quando recebeu alta para o quarto começou a ter febre, que levou à suspeita de Covid-19, confirmada posteriormente. Ele ficou conhecido como Chefe Chico, da novela infanto-juvenil “Chiquititas” (1997).

Eduardo Galvão

Outro ator cuja morte provocou comoção pública, foi a de Eduardo Galvão, 58, que morreu no início de dezembro, também por complicações causadas pela Covid-19. O ator chegou ao hospital com 50% do pulmão comprometido e acabou não resistindo.

Em uma carreira de três décadas, Galvão fez novelas, séries, programas de TV, cinema e teatro. A última participação na Globo foi na novela “Bom Sucesso”, de 2019. Ele era formado pela CAL (Casa das Artes de Laranjeiras), no Rio, onde desde jovem ficou conhecido pelo jeito divertido.

Paulinho do Roupa Nova

O vocalista da banda Roupa Nova, Paulinho, morreu no dia 14 de dezembro aos 68 anos, no Rio de Janeiro. “As luzes do palco se apagaram. Infelizmente o nosso querido Paulinho não resistiu. Acabamos de receber a notícia que ele veio a falecer de falência múltipla de órgãos após ser acometido pela Covid-19”, afirmou a banda em nota.

 

 

“Paciente decorrente de outras comorbidades, entre elas um transplante de medula óssea devido a um linfoma. Ele teve uma parada cardiorrespiratória hoje, que levou à parada dos órgãos. Nossos sinceros agradecimentos a todos que oraram e pediram por ele”, escreveu a equipe da banda nas redes sociais.

Nicette Bruno

A atriz Nicette Bruno, que acumula mais de 70 anos de carreira na TV e no teatro, morreu no dia 20 de dezembro, após quase um mês internada na Casa de Saúde São José, no Rio de Janeiro. Ela estava com 87 anos e chegou a apresentar melhoras durante o tratamento, mas acabou não resistindo.

 

Foto: Divulgação

 

Uma semana antes, uma notícia falsa sobre a morte da atriz chegou a circular na internet, o que foi desmentido por seus filhos na ocasião. “Estamos vivendo uma perda difícil, dolorida”, afirmaram os filhos da atriz ao confirmarem o falecimento. “Mas sabemos que todo o Brasil está junto conosco também, sentindo essa dor.”