A cantora Claudia Leitte, 40, perdeu o processo que movia contra o YouTube por causa de um vídeo publicado pelo youtuber Allan Caldas, em 2018, que associava ela ao recebimento de R$ 1,2 milhões pela Lei Rouanet.

No vídeo em questão, o influenciador digital e então candidato a deputado federal, sem citar o nome de Claudia, dizia achar um absurdo o Museu Nacional ter pegado fogo por falta de recursos enquanto artistas ganhavam dinheiro com a Lei Rouanet. O título do vídeo, porém, citava a frase: “Para a Claudia Leitte não faltou grana”.

A Justiça julgou o pedido de Claudia para apagar o vídeo improcedente e ainda condenou a artista a arcar com todos os custos da demanda num total de R$ 3 mil. A artista recorreu e aguarda nova análise. O processo corre na 27ª Vara Cível, em São Paulo.

Em um dos trechos do processo, a Justiça diz que o vídeo não tem nada de ilegal e que inexiste qualquer ilicitude quando tal discussão se faz dentro dos limites do exercício do direito de qualquer cidadão de fiscalizar a atuação do governo e o uso que se faz da coisa pública. “Trata-se de exercício regular do direito à liberdade de expressão e à crítica”, diz.

Foto; Reprodução/Instagram

Em outro trecho, o documento diz que “em nenhum momento, o vídeo confere à autora adjetivos pessoais que possam ser caracterizados como ofensivos, não utiliza palavras de baixo calão nem lhe imputa qualquer crime. Apenas revela indignação com a destinação de verba pública, ainda que na modalidade de incentivos para captação de recursos a artistas renomados, enquanto um museu de grande importância nenhuma verba recebeu a culminar com seu incêndio”.

Procurada, a assessoria do YouTube respondeu por meio da seguinte nota: “Não comentamos casos específicos. O YouTube é uma plataforma de vídeo aberta e qualquer pessoa pode compartilhar conteúdo, que está sujeito a revisão de acordo com as nossas diretrizes da comunidade. Quando não há violação à política de uso do produto, a decisão final sobre a necessidade de remoção do conteúdo cabe ao Poder Judiciário, de acordo com o que estabelece o Marco Civil da Internet.”

Já a equipe de Claudia Leitte disse que não tinham informações sobre o caso e que checariam com a assessoria jurídica.

‘SE ELA ME LIGAR EU TIRO DO AR’

Em entrevista à reportagem, Allan Caldas ressalta que teria apagado o vídeo caso a equipe de Claudia Leitte tivesse entrado em contato com ele de forma amigável. Inclusive, diz: “Se ela me ligar hoje eu tiro.”

“Ela não entrou na Justiça contra mim, mas contra a plataforma. Mas acho que tem um segundo equívoco da Claudia Leitte: ela em nenhum momento me ligou, assessoria ou advogados. Eu teria tirado o vídeo do ar. Se alguém tivesse falado mal de mim eu também ficaria irritado”, revela.

“Sou blogueiro e em 2018 o Museu Nacional pegou fogo. Um dos questionamentos da grande imprensa é que não havia verbas. Aí fiz vídeo com museu pegando fogo ao fundo e falei que teve grana da Lei Rouanet para fazer show da Claudia Leitte. Não tenho detalhes de como foi a captação desse recurso. Sou a favor dessa lei, mas tem que ter curadoria que entenda o que precisa de grana na cultura”, ressalta.

Ele conclui. “Eu acho uma tremenda sacanagem da equipe da Claudia Leitte estar ocupando o setor judiciário com uma bobagem. É coisa de gente rica. Eu sou uma pessoa bem fácil de ser achada. Tenho redes sociais, blog, site. Bem feito que ela perdeu. Pena a juíza não ter cobrado mais caro.”