Andressa Urach fez um desabafo em seu Instagram na madrugada desta sexta-feira (30). Ela — que já foi Vice-Miss Bumbum, mas abandonou a carreira artística após uma internação em 2014, por uso de hidrogel — voltou a trabalhar como modelo e recebeu muitas críticas de evangélicos, contou que se afastou da igreja evangélica por conta disso.

“Gente, eu não escondo nada de ninguém. Nos últimos meses passei por uma decepção tão grande, que não consegui nem estudar, vou ter que trancar a faculdade de jornalismo, pois não tenho cabeça para pensar sobre isso. Dediquei meus últimos seis anos da minha vida para Jesus, como todos sabem, mas acabei me sentindo como um objeto descartável, nunca me senti assim, nem no tempo da prostituição“, declarou.

Andressa Urach – Instagram

Andressa continuou seu relato, dizendo que continua tendo fé, mas que as pessoas de seu convívio religioso a fizeram quase virar ateia. “Fui excluída de grupos fazendo eu me sentir como se eu tivesse ‘demônios’ por deixar de fazer parte da instituição”, lamentou.

 

A modelo ainda relembrou quando ficou internada, em estado grave, após complicações por colocar hidrogel no corpo. “Mas, graças a Deus, no hospital em 2014 estive de frente com a morte e passei por uma experiência pessoal com Deus e sei que Jesus é vivo. […] A questão em pauta é: amo a igreja, mas não consigo mais ir na igreja, peguei ranço, pois falam que, uma vez afastados, ficamos sete vezes piores do que quando chegamos. Então, não quero ficar ouvindo isso! Isso está me fazendo mal. Não quero e não vou voltar a ser quem eu era”, continuou.

Andressa citou também ter boderline — transtorno mental caracterizado por um padrão de instabilidade contínua no humor, no comportamento, auto-imagem e funcionamento — e que está se tratando. “Enquanto estava na igreja, estava tudo sob controle, mas agora que não estou mais indo na igreja, voltei a tomar uns remédios para me acalmar e controlar minhas crises de ansiedade, que voltaram nessa segunda-feira. E preciso controlar minha impulsividade e, principalmente, a minha raiva!”, explicou.

Ela ainda tentou pedir para a igreja que frequentava devolver as doações que fez nos últimos anos. “Infelizmente, não tive retorno ainda, não queria entrar na Justiça. Mas não estou bem, estava vulnerável na época e não pensei no futuro do meu filho [Arthur, de 14 anos] e muito menos no meu. Estava em uma fase muito frágil e ainda estou, então, vou voltar aos meus tratamentos“, completou.

Leia mais na Revista QUEM