POR LAÍSA DALL’AGNOL

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Trabalhadores que tentam receber o seguro-desemprego relatam dificuldades em concluir o pedido via site ou aplicativo e queixam-se de não conseguir informações pelos canais remotos de atendimento da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, órgão responsável pelo benefício.

Desde o final de março, com a entrada em vigor do estado de calamidade pública em decorrência do novo coronavírus, as agências do Sine (Sistema Nacional do Emprego) deixaram de atender os trabalhadores presencialmente e têm feito o procedimento de forma remota.

Foto Ag. Brasil

Agora, para solicitar o seguro-desemprego, os trabalhadores precisam fazer o pedido pelo site https://www.gov.br/pt-br/servicos/solicitar-o-seguro-desemprego ou pelo aplicativo Carteira de Trabalho Digital.

Para tirar dúvidas, foi disponibilizado o número 158.

Os canais, no entanto, não resolvem o problema de quem foi demitido e está precisando da grana extra com urgência durante a pandemia.

É o caso do contador Alysson Viana, 44 anos. Demitido em março, ele baixou o aplicativo Carteira Digital, mas após preencher os dados solicitados, recebeu a mensagem “aguardando confirmação no posto”. O status continua o mesmo há três semanas.

Ele diz que tentou ligar para o 158 no mesmo dia em que não conseguiu concluir o pedido do seguro-desemprego pelo aplicativo, mas que não foi atendido.

“Demorei dias para conseguir ligar, porque não atendia. Uma mensagem dizia que todas as linhas estavam ocupadas e que eu deveria tentar outro horário. Consegui contato apenas no dia 9 de abril, dez dias depois da tentativa inicial. A atendente disse que receberia algum retorno em até uma semana. Até hoje não tive mais resposta.”

Alysson diz que está contando com o seguro-desemprego porque, além dele, a esposa também está sem trabalhar.

“Estamos vivendo com nossas economias e com o valor da minha rescisão. O sentimento é de angústia, porque nossas reservas são limitadas e não há perspectiva próxima de voltar ao mercado de trabalho, uma vez que a maioria das empresas não está contratando”, lamenta.

O produtor artístico F.V. (que preferiu não ser identificado), 34 anos, vive situação semelhante.

Demitido no início de março, ele explica que fez a requisição no dia 27 do mesmo mês, mas que a solicitação não foi concluída.

“O aplicativo não carrega as informações e o 158 é impossível de conseguir ligação, até hoje não fui atendido.

Vasculhei a internet até achar um link da ouvidoria do antigo Ministério do Trabalho. Mandei email e me responderam dizendo que abriram número de demanda para análise, só que até agora, nada.”

O produtor diz que, quando foi mandado embora, tinha a expectativa de recolocação rápida no mercado, mas que, com o avanço da pandemia, entrevistas de emprego foram canceladas e, o cenário, se tornando imprevisível.

“Estou retomando alguns trabalhos antigos, tentando sair da área de eventos, mas é difícil, uma vez que investia há seis anos numa carreira que morreu da noite para o dia. Divido as contas da casa com um amigo e estamos negociando com a imobiliária uma redução de 30% no aluguel. Por enquanto, temos reservas e aguentamos alguns meses, mas estamos nos planejando para um futuro que pode ser tanto positivo quanto negativo.”

O técnico de automação industrial Jackson Moreira Lopes, 35 anos, deu entrada no seguro-desemprego pelo aplicativo em 30 de março e diz que, ao não conseguir concluir o processo, ligou para o 158.

Segundo ele, o atendente refez o requerimento e pediu para que aguardasse pelo aplicativo ou pelo site. Até agora, no entanto, não teve mais resposta. Quando liga para o 158, conta, recebe apenas a explicação de que as solicitações foram encaminhadas para a Secretaria de Previdência e Trabalho.

“Fui despejado de onde morava e já estou praticamente passando fome. Alguns amigos estão me ajudando por enquanto.”

O técnico queixa-se da impossibilidade de receber o auxílio emergencial de R$ 600 do governo federal, destinado a informais e a outras categorias, como mães chefes de família.

“Ao mesmo tempo que não estou recebendo o dinheiro do seguro-desemprego, cuja primeira parcela já deveria ter sido paga, não posso dar entrada no auxílio, porque não me enquadro.”

Resposta

Procurada pela reportagem, a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia, ainda não havia respondido até a conclusão deste texto.

Além do atendimento pelo número 158, o órgão divulgou nesta semana que as Superintendências Regionais do Trabalho estão atendendo, por email, segurados com problemas na solicitação do seguro-desemprego pelo site ou pelo aplicativo.

O contato segue um padrão e varia de estado para estado. No caso de São Paulo, o email é [email protected] Para outros estados, basta seguir o modelo e substituir o “sp” pela sigla do estado correspondente.