O PIB (Produto Interno Bruto) cresceu 0,6% no 3º trimestre de 2019 em relação aos três meses imediatamente anteriores. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (3) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Na relação com o mesmo período do ano passado, a economia avançou 1,2%.

A projeção feita pela agência Bloomberg sobre o desempenho da economia estimava um crescimento de 0,4%, na relação com o segundo trimestre deste ano, e de 1% na relação com o mesmo período do ano passado.

O PIB é uma medida da produção de bens e serviços em um país em um determinado período. Sua expansão é utilizada como sinônimo de crescimento da economia.

Revisão de 2018

O IBGE também divulgou uma revisão do PIB de 2018, que apresentou expansão de 1,3%. O dado divulgado anteriormente apontava um crescimento da economia brasileira de 1,1% naquele ano.

Em novembro, o instituto já havia revisado para cima o resultado de 2017, de 1,1% para 1,3%, revisão provocada, principalmente, pelo melhor desempenho do consumo das famílias.

As revisões do PIB são feitas nos dois anos seguintes à primeira publicação, com base em novas informações obtidas pelo instituto. O número de 2017 não será mais revisado. No caso de 2018, os números definitivos serão conhecidos somente no final do próximo ano.

Do ponto de vista da oferta, o desempenho dos diversos setores econômicos ficou da seguinte forma: agropecuária (de 0,1% para 1,4%), indústria (de 0,6% para 0,5%) e serviços (de 1,3% para 1,5%).

Sob a ótica da demanda, os novos resultados são: consumo das famílias (de 1,9% para 2,1%), consumo do governo (de zero para 0,4%), investimentos (de 4,1% para 3,9%), exportações (de 4,1% para 4,0%) e importações (de 8,5% para 8,3%).

Os anos de 2017 e 2018 foram os primeiros de expansão após as retrações verificadas em 2015 (-3,5%) e 2016 (-3,3%). Desde então, o PIB tem mantido o mesmo ritmo de fraco crescimento e ainda está abaixo do patamar verificado antes da recessão iniciada em meados de 2014.