Em assembleias promovidas pelo Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC), na porta da fábrica da Renault, foi aprovada a proposta de redução de jornada de trabalho com garantia de 100% do salário líquido. O acordo foi fechado nesta quinta-feira (14) e vale para os colaboradores das quatro fábricas do Complexo Ayrton Senna, em São José dos Pinhais.

Assembleia realizada nesta quinta-feira (14) na Renault – Foto: SMC

Segundo informa a montadora, a redução de jornada pode chegar a 70%, conforme a necessidade de cada fábrica e linha de produção e tem um prazo de 30 dias a partir de 18 de maio, podendo ser prorrogada por mais 30 dias.

A empresa completará o valor pago pelo governo, garantindo 100% do salário líquido para todos os colaboradores.

O acordo negociado entre Sindicato e empresa contempla os trabalhadores o chão de fábrica (MOD-Mão de Obra Direta) e os MOS´s (Mão de Obra Suporte), como por exemplo; analistas de projetos, manutenção, entre outros.

Os pontos principais são a estabilidade de emprego e o complemento da montadora no valor pago pelo governo federal baseado na Medida Provisória 936, garantido os 100% do salário líquido.

A redução de jornada inicialmente será de 50%, podendo chegar a 70%, conforme necessidade de cada fábrica e linha de produção, informou o SMC. Já o prazo desta redução será inicialmente de 30 dias, começando no dia 18 deste mês, podendo ser prorrogado por mais 30 dias. Os dias de redução de jornada serão, preferencialmente, em dias próximos ao final de semana.

300 temporários dispensados

A Renault informou que, para adequar a produção à demanda de mercado, outra medida adotada foi não renovar e antecipar o encerramento dos contratos por tempo determinado de 300 colaboradores.

Em nota enviada à Banda B nesta sexta-feira (15), a Renault informou que, considerando o contexto, está oferecendo uma série de condições especiais como:

  • Pagamento de 100% do período faltante para o encerramento do contrato na rescisão, ou seja, o dobro do que prevê a lei.
  • Extensão de plano médico por 3 meses para o titular e dependentes.
  • Disponibilidade de um programa de orientação para a recolocação no mercado de trabalho, por meio de um serviço especializado.
  • Possibilidade de participar de um banco de talentos para futuros processos seletivos da Renault.

A unidade brasileira da Renault emprega 7300 trabalhadores que produzem os modelos Sandero Stepway, Logan, Kwid, Duster, Oroch, Master e Captour. A fábrica ainda conta com uma unidade de motores e injeção de alumínio.

Negociação

Desde o início do mês, havia um impasse nas negociações entre colaboradores e a empresa. O SMC dizia que a Renault Brasil estaria pressionando seus funcionários a aderirem à MP 936 do governo federal que propõe a redução de salários e cargas horárias para a manutenção dos empregos. Houve protestos em frente à fábrica e alguns turnos de produção foram interrompidos. Trabalhadores chegaram a ameaçar um ” lockdown” na volta da quarentena.