Da Redação

O preço da cesta básica subiu 3,08% no acumulado do ano, segundo a pesquisa Pesquisa Nacional da Cesta Básica divulgada nesta terça-feira (6) pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Na variação mensal, a capital paranaense apresentou queda de 5,04%.

Os principais motivos para a queda mensal no preço curitibano são o tomate e a batata, com quedas de 38,39% e 19,10% respectivamente. O produto que teve a maior alta foi o leite, com alta de 3,02%. De acordo com a pesquisa, o preço da cesta básica, em média, é de R$ 279,66, o que representa 44,83% do valor do salário mínimo.

No país, a cesta básica caiu nas 18 capitais pesquisadas mensalmente. A última vez em que houve recuo no preço em todas as localidades acompanhadas pelo órgão foi em maio de 2007, quando o levantamento era feito em 16 cidades (não participavam Manaus e Campo Grande).

As retrações mais significativas foram registradas em Brasília (-8,86%), Florianópolis (-7,61%), Porto Alegre (-7,06%) e Goiânia (-7%). As menores variações ocorreram em Salvador (-0,18%), Vitória (-1,55%) e Manaus (-1,82%).

Segundo o Dieese, o menor salário pago em julho para atender às despesas de uma família deveria ser R$ 2.750,83, ou seja, 4,06 vezes o mínimo em vigor (R$ 678,00). Para chegar a esse valor, o Dieese leva em consideração a determinação constitucional que estabelece que o salário mínimo deve ser capaz de suprir as despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência. Em junho, o mínimo necessário era maior e equivalia a R$ 2.860,21, ou 4,22 vezes o piso vigente. Já em julho de 2012, o valor necessário para atender às despesas de uma família chegava a R$ 2.519,97, o que representava 4,05 vezes o mínimo de então (R$ 622,00).