A maldição de maio não se repetiu em 2020. Após anos de fortes quedas na Bolsa e altas no dólar, o mês foi positivo para o mercado financeiro brasileiro mesmo em meio à pandemia de Covid-19.

Após encostar nos R$ 6 no início deste mês, o dólar teve primeiro maio de queda desde 2009, com recuo de 1,8% no período, a R$ 5,336.

Este também foi o primeiro mês de queda da moeda em 2020. No ano, o dólar acumula alta de 33%, com o real sendo a moeda que mais se desvaloriza no mundo em 2020.

Em 2009, a moeda americana recuou 9% no mesmo mês, após fortes altas ao fim de 2008, na sequência da quebra do Lehman Brothers.

Desta vez, investidores realizaram ganhos após a forte alta da divisa na primeira metade do mês. Até 13 de maio, ela acumulou alta de 8,5% em relação a abril e foi ao recorde nominal (sem contar a inflação) de R$ 5,90 com a turbulência na política doméstica em meio à pandemia de coronavírus e novos conflitos entre China e Estados Unidos.

Desde a máxima, a moeda recua 9,60% com a aproximação de Legislativo e Executivo e o fim das dúvidas do mercado financeiro sobre a permanência do ministro Paulo Guedes (Economia) no governo de Jair Bolsonaro.

No início do mês, os ecos da saída de Luiz Henrique Mandetta do Ministério da Saúde e de Sergio Moro do Ministério da Justiça levaram investidores a temer a saída de Guedes. A ideia foi abandonada de vez após o vídeo da reunião ministerial de 22 de abril ser divulgado. Nele, o presidente reafirma a autonomia de Guedes.

Já o Ibovespa encerra o segundo mês positivo do ano, com alta de 8,6%, a 87 mil pontos. Em abril, o índice subiu 10,25% após a queda de 29,9% em março, mês marcado por seis circuit breakers (paralisação das negociações após quedas de mais de 10% do Ibovespa) da Bolsa. No ano, porém, há perda de 24,4%.

Em maio, investidores deram sequência às compras, antecipando uma recuperação na atividade econômica à medida que países saem da quarentena, com grandes pacotes de estímulo dos governos e dos Bancos Centrais dos EUA e da Europa.

“O mercado sempre vai tentar prever o que vai acontecer. Nos circuit breakers de março, ele antecipou uma recessão profunda. Agora, a flexibilização do distanciamento social tem um impacto na economia e o mercado viu isso como um excelente sinal”, diz Daniel Jannuzzi, especialista em finanças da Magnetis.

Europa e Estados Unidos retomaram parte das atividades no mês, enquanto o estado de São Paulo inicia um reabertura em junho, com a liberação de shoppings na capital.

Também contribuiu para o viés positivo do mercado de ações no mês a queda maior que o esperado de Selic que foi de 3,75% ao ano para 3% ao ano, o que leva mais investidores à Bolsa e reduz a dívida das empresas no longo prazo.

Outro fator que impulsionou a bolsa foi a alta das matérias-primas. Os preços do petróleo e do minério se recuperaram e encerraram o mês com ganhos expressivos.

A volta dos conflitos entre China e Estados Unidos, porém, limitaram os ganhos. O governo americano culpa os chineses pela pandemia de coronavírus, ameaçando impor novas restrições comerciais ao país.

Nesta sexta-feira (29), porém, o mercado teve um alívio após Trump não anunciar nenhuma medida econômica contra Pequim em seu discurso ao anunciar o rompimento dos EUA com a OMS (Organização Mundial da Saúde).

O temor de investidores a uma nova investida americana deu lugar a um tom positivo no mercado, levando o Ibovespa a virar para alta de 0,5%, a 87.402.

Trump, contudo, disse que determinou a seu governo que inicie o processo para eliminar o tratamento especial concedido a Hong Kong em resposta aos planos da China de impor uma nova legislação de segurança para o território.

O presidente disse ainda que a China havia quebrado sua palavra sobre a autonomia de Hong Kong e que a ação chinesa contra a região era uma tragédia para o povo de Hong Kong, para a China e para o mundo.

Em Nova York, S&P 500 fechou em alta de 0,5%. No mês, subiu 4,5%. Já Dow Jones encerrou o pregão estável, com uma valorização de 4,26% em maio. Nasdaq subiu 1,3% no pregão e 6,75% no mês.

Números do mercado financeiro:

DÓLAR
compra/venda
Câmbio livre BC – R$ 5,4257 / R$ 5,4263 **
Câmbio livre mercado – R$ 5,334 / R$ 5,336 *
Turismo – R$ 4,830 / R$ 5,650

(*) cotação média do mercado
(**) cotação do Banco Central

Variação do câmbio livre mercado
no dia: -0,920%

OURO BM&F
R$ 298,00

BOLSAS
Bovespa (Ibovespa)
Variação: 0,52%
Pontos: 87.402
Volume financeiro: R$ 40,754 bilhões
Maiores altas: CSN ON (7,70%), Embraer ON (6,45%), Hypera ON (4,35%)
Maiores baixas: Braskem PN (-4,83%), Cyrela ON (-3,71%), MRV ON (-3,68%)

S&P 500 (Nova York): 0,48%
Dow Jones (Nova York): -0,07%
Nasdaq (Nova York): 1,29%
CAC 40 (Paris): -1,59%
Dax 30 (Frankfurt): -1,65%
Financial 100 (Londres): -2,29%
Nikkei 225 (Tóquio): -0,18%
Hang Seng (Hong Kong): -0,74%
Shanghai Composite (Xangai): 0,22%
CSI 300 (Xangai e Shenzhen): 0,27%
Merval (Buenos Aires): -2,98%
IPC (México): -0,86%

ÍNDICES DE INFLAÇÃO
IPCA/IBGE
Fevereiro 2019: 0,43%
Março 2019: 0,75%
Abril 2019: 0,57%
Maio 2019: 0,13%
Junho 2019: 0,01%
Julho 2019: 0,19%
Agosto 2019: 0,11%
Setembro 2019: -0,04%
Outubro 2019: 0,10%
Novembro 2019: 0,51%
Dezembro 2019: 1,15%
Janeiro 2020: 0,21%
Fevereiro 2020: 0,25%
Marco 2020: 0,07%
Abril 2020: -0,31%

INPC/IBGE
Fevereiro 2019: 0,54%
Março 2019: 0,77%
Abril 2019: 0,60%
Maio 2019: 0,15%
Junho 2019: 0,01%
Julho 2019: 0,10%
Agosto 2019: 0,12%
Setembro 2019: -0,05%
Outubro 2019: 0,04%
Novembro 2019: 0,54%
Dezembro 2019: 1,22%
Janeiro 2020: 0,19%
Fevereiro 2020: 0,17%
Março 2020: 0,18%
Abril 2020: -0,23%

IPC/Fipe
Fevereiro 2019: 0,54%
Março 2019: 051%
Abril 2019: 0,29%
Maio 2019: -0,02%
Junho 2019: 0,15%
Julho 2019: 0,14%
Agosto 2019: 0,33%
Setembro 2019: 0,00%
Outubro 2019: 0,16%
Novembro 2019: 0,68%
Dezembro 2019: 0,94%
Janeiro 2020: 0,29%
Fevereiro 2020: 0,11%
Março 2020: 0,10%
Abril 2020: -0,30%

IGP-M/FGV
Fevereiro 2019: 0,88%
Março 2019: 1,26%
Abril 2019: 0,92%
Maio 2019: 0,45%
Junho 2019: 0,80%
Julho 2019: 0,40%
Agosto 2019: -0,67%
Setembro 2019: -0,01%
Outubro 2019: 0,68%
Novembro 2019: 0,30%
Dezembro 2019: 2,09%
Janeiro 2020: 0,48%
Fevereiro 2020: -0,04%
Março 2020: 1,24%
Abril 2020: 0,80%

IGP-DI/FGV
Fevereiro 2019: 1,25%
Março 2019: 1,07%
Abril 2019: 0,90%
Maio 2019: 0,40%
Junho 2019: 0,63%
Julho 2019: -0,01%
Agosto 2019: -0,51%
Setembro 2019: 0,50%
Outubro 2019: 0,55%
Novembro 2019: 0,85%
Dezembro 2019: 1,74%
Janeiro 2020: 0,09%
Fevereiro 2020: 0,01%
Março 2020: 1,64%
Abril 2020: 0,05%

SALÁRIO MÍNIMO
Janeiro 2020: R$ 1.039,00
Fevereiro 2020: R$ 1.045,00