Em outubro, a cotação do dólar teve a maior queda mensal desde janeiro. A moeda americana foi de R$ 4,1630, no dia 1º de outubro, para R$ 4,0140 nesta quinta-feira (31), queda de 3,57%. No começo do ano, com a euforia do mercado financeiro com o início do governo de Jair Bolsonaro (PSL), o dólar acumulou queda de 5,6% e terminou cotada a R$ 3,66. Dentre emergentes, o real foi a quarta moeda que mais se valorizou frente ao dólar em outubro. Ela perde apenas para as europeias Zloty polonês, Florim húngaro e Coroa tcheca.

A queda do dólar no Brasil é fruto da perda da força internacional da moeda americana, da trégua na guerra comercial entre China e Estados Unidos, de juros mais baixos e da aprovação da reforma da Previdência no Senado.
No mês, o índice DXY, que mede a força do dólar ante as principais moedas globais, caiu 2% e foi para o menor patamar desde março.

Já o Ibovespa teve um desempenho próximo à média para o ano, com alta acumulada de 2,36% -no ano, o índice acumula um salto de 23,53%. Apesar dos recordes seguidos nas últimas semanas, a Bolsa chegou a perder os 100 mil pontos no começo do mês com a piora nas relações comerciais entre China e Estados Unidos.

Na ocasião, dia 8, o secretário do comércio americano, Wilbur Ross, anunciou a inclusão de 28 empresas chineses à “lista suja” dos EUA. Empresas que ficam sob essa condição têm dificuldades em negociar com fornecedores americanos, uma vez que é exigido uma licença especial para a realização do comércio. Desde então, a relação comercial entre os países melhorou, as negociações avançaram e um acordo ficou palpável. Agora, os países pretendem assinar a ‘fase 1’ do acordo em novembro.

O cenário mais positivo casou com o último passo da nova Previdência no Congresso, finalizado no último dia 23 e nas últimas duas semanas, o Ibovespa superou sua máxima histórica cinco vezes. O último foi na quarta (30), com o corte nos juros americano e brasileiro.

O cenário positivo, no entanto, se dissipou nesta quinta-feira (31). Segundo reportagem da Bloomberg, a China não estaria disposta a ceder nas questões mais espinhosas da guerra comercial entre os países. Os chineses estariam preocupados com a impulsividade do presidente americano Donald Trump e o risco que ele desista da ‘fase 1’ do acordo.

Com a notícia, as principais Bolsas globais fecharam em queda. Nos Estados Unidos, Dow Jones caiu 0,52%, S&P 500, 0,30% e Nasdaq, 0,14%. Por lá, a aversão a risco foi compensada pelo bom desempenho de Apple, que subiu 2,26%, e Facebook, que teve alta de 1,8%. No Brasil, a queda da Bolsa foi impulsionada pelo tombo de Bradesco e Gol, com Ibovespa cedendo 1,10%, a 107.219 pontos, menor patamar em uma semana.

Stock market chart, Stock market data on LED display concept

DÓLAR
compra/venda
Câmbio livre BC – R$ 4,0035 / R$ 4,0041 **
Câmbio livre mercado – R$ 4,0120 / R$ 4,0140 *
Turismo – R$ 3,9720 / R$ 4,2180

(*) cotação média do mercado
(**) cotação do Banco Central

Variação do câmbio livre mercado
no dia: 0,670%

OURO BM&F
R$ 203,080

BOLSAS
Bovespa (Ibovespa)
Variação: -1,10%
Pontos: 107.219
Volume financeiro: R$ 19,478 bilhões
Maiores altas: Cyrela Realt ON (1,70%), Eletrobras ON (1,67%), Magazine Luiza (1,41%)
Maiores baixas: Gol PN (-5,79%), Bradesco ON (-4,12%), Bradesco PN (-4,09%)

S&P 500 (Nova York): -0,30%
Dow Jones (Nova York): -0,52%
Nasdaq (Nova York): -0,14%
CAC 40 (Paris): -0,62%
Dax 30 (Frankfurt): -0,34%
Financial 100 (Londres): -1,12%
Nikkei 225 (Tóquio): 0,37%
Hang Seng (Hong Kong): 0,90%
Shanghai Composite (Xangai): -0,35%
CSI 300 (Xangai e Shenzhen): -0,12%
Merval (Buenos Aires): 3,26%
IPC (México): -0,92%

ÍNDICES DE INFLAÇÃO
IPCA/IBGE
Setembro 2018: 0,48%
Outubro 2018: 0,45%
Novembro 2018: -0,21%
Dezembro 2018: 0,15%
Janeiro 2019: 0,32%
Fevereiro 2019: 0,43%
Março 2019: 0,75%
Abril 2019: 0,57%
Maio 2019: 0,13%
Junho 2019: 0,01%
Julho 2019: 0,19%
Agosto 2019: 0,11%
Setembro 2019: -0,04%

INPC/IBGE
Setembro 2018: 0,30%
Outubro 2018: 0,40%
Novembro 2018: -0,25%
Dezembro 2018: 0,14%
Janeiro 2019: 0,36%
Fevereiro 2019: 0,54%
Março 2019: 0,77%
Abril 2019: 0,60%
Maio 2019: 0,15%
Junho 2019: 0,01%
Julho 2019: 0,10%
Agosto 2019: 0,12%
Setembro 2019: -0,05%

IPC/Fipe
Setembro 2018: 0,39%
Outubro 2018: 0,48%
Novembro 2018: 0,15%
Dezembro 2018: 0,09%
Janeiro 2019: 0,58%
Fevereiro 2019: 0,54%
Março 2019: 051%
Abril 2019: 0,29%
Maio 2019: -0,02%
Junho 2019: 0,15%
Julho 2019: 0,14%
Agosto 2019: 0,33%
Setembro 2019: 0,00%

IGP-M/FGV
Setembro 2018: 1,52%
Outubro 2018: 0,89%
Novembro 2018: -0,49%
Dezembro 2018: -1,08%
Janeiro 2019: 0,01%
Fevereiro 2019: 0,88%
Março 2019: 1,26%
Abril 2019: 0,92%
Maio 2019: 0,45%
Junho 2019: 0,80%
Julho 2019: 0,40%
Agosto 2019: -0,67%
Setembro 2019: -0,01%

IGP-DI/FGV
Setembro 2018: 1,79%
Outubro 2018: 0,26%
Novembro 2018: -1,14%
Dezembro 2018: -0,45%
Janeiro 2019: 0,07%
Fevereiro 2019: 1,25%
Março 2019: 1,07%
Abril 2019: 0,90%
Maio 2019: 0,40%
Junho 2019: 0,63%
Julho 2019: -0,01%
Agosto 2019: -0,51%
Setembro 2019: 0,50%

SALÁRIO MÍNIMO
Janeiro 2019: R$ 998,00